segunda-feira, 30 de novembro de 2015

1970-11-30 - ISOLAMENTO E POLICIAMENTO DOS ESTUDANTES - Movimento Estudantil

ISOLAMENTO E POLICIAMENTO DOS ESTUDANTES

A Escola é o lugar onde se aprende. Faz-se isso no liceu e na Escola Técnica, mas na Faculdade ou Instituto é muito melhor pois passa-se a ser livre. Ser livre significa entrar nessa máquina complicada onde existem os "mestres sábios", as matérias importantes e difíceis e os estudantes que vêm de todos os lugares, alguns dos quais diz-se serem subversivos pois pensam em coisas macabras (políticas).
O lugar, as matérias, os mestres que sabiamente dão essas matérias e os colegas que ávida e mansamente as recebem, constituem a Academia.
A Academia dedica-se ao estudo pois é pelo estudo que se aprende.
As três questões que vos queremos pôr neste princípio de ano lectivo;
1- O que é a escola? Se nela se aprende alguma coisa o que é que se aprende e a quem serve o que lã se aprende. Em suma: qual a função da escola?
Será um lugar onde naturalmente se ensina e se é ensinado, onde as humanidades, as ciências e as técnicas brotam puras e puras circulam? Um lugar onde mestres e discípulos se encontraria enriquecendo-se e senão enriquecidos de saber, acima da impureza dos acontecimentos que pouco esclarecem e que até só servem para baralhar os sossegados estudos?

1970-11-29 - COMUNICADO de DIREITO - Movimento Estudantil

COMUNICADO de DIREITO
30-11-70

ARTIGO 8º da CONSTITUIÇÃO: LIBERDADE DE REUNIÃO!
O Director da Faculdade de Direito enviou já convocatórias a três elementos da Junta de Delegadas a fim de responderem no processo disciplinar que lhes moveu, devida Aos factos ocorridos no dia 24 e a que já foi dado publico conhecimento. Convirá no entanto recordar;
Invocando instruções do Magnífico Reitor (que pretenderia reservar para a tarde as reuniões de estudantes, a fim de não perturbarem o bom funcionamento das aulas) o Professor Queiró decidiu proibir uma Assembleia de Faculdade destinada ao inicio da discussão do programa da futura lista do Movimento Estudantil,
Os elementos da Junta que com ele contactaram não se submeteram de per si às suas arbitrárias exigências, ameaças e tentativas de chantagem (o facto de ter acenado com o processo, arquivado, de inquérito de Maio 70) e decidiram comunicar a situação aos estudantes reunidos para o efeito numa sala do rés do chão dos Gerais, que se encontrava à muito desocupada.

1975-11-30 - O DESMASCARAMENTO DO GOLPE DO 25 DE NOVEMBRO - PRP-BR

O DESMASCARAMENTO DO GOLPE DO 25 DE NOVEMBRO

De acordo com a sua própria cronologia dos acontecimentos, com, os documentos que possui e com as varias posições vindas a publico durante o período que se desenrolou à volta do golpe militar de 25 de Novembro, o PRP conclui que:
1. Foi montada uma provocação à esquerda revolucionária, militar e civil, no sentido de a liquidar. Para esta operação concorreram simultaneamente, com planos frios e calculados, a direita fascista a direita social-democrata e a direcção reformista e alguns militares a ela afectos. Esta provocação, que nos lembra o celebre caso do incêndio do Reichtag, feito antes da guerra em Berlim pelos nazis para acusar os comunistas e os judeus e justificar a sua repressão, ficara assinalada na Historia como uma das mais trágicas provocações - e traições da direcção reformista, que se intitula “comunista". Mas desta vez existem demasiados factos, documentos e testemunhas para que o jogo fique escondido. Tudo vira a lume.
O desencadear de acções golpistas, que em seguida se atribuem à esquerda revolucionaria; a traição feita aos “páras” que resistem quatro dias sem que nenhuma força militar se lhes junte; a "neutralidade" da Marinha, determinada pelos seus comandos e conjugada com a "rendição" de alguns comandos de unidades do Exercito fundamentais; enfim, o nítido compromisso de não agressão revelado pela situação de privilegiados intocáveis pelos mandatos de captura em relação à Marinha e às figuras gradas do reformismo mantidas no Conselho da Revolução; a manutenção do VI Governo com os seus três partidos - revelam bem a provocação e traição reformista.

1975-11-30 - Revolução - PRP-BR

CONCLUSÕES

1. As movimentações dos trabalhadores, a sublevação nos quartéis, a força dos oficiais revolucionários, a hegemonia das organizações revolucionárias crescia de dia para dia, criando condições para o grande movimento organizado que daria origem à insurreição armada.
2. A direita fascista e social-democrata, assim como o reformismo tiveram que evitar por todos os meios que este movimento se desenvolvesse. As "negociações" com os oficiais revolucionários tentadas durante as se manas de 10 a 24 de Novembro, foram frustradas.
3. Perante a ineficácia das "negociações", a direita e o reformismo desencadeiam os seus "grandes jogos", ou seja a conspiração provocatória São de admitir infiltrações de direita na direcção militar ou civil reformista.
A. Nenhuma das acções militares é desencadeada pela esquerda revolucionária, nem militar nem civil.
5. Militarmente a acção da direita visa destruir os quartéis revolucionários: PM, RALIS, EPSM, EPAM, RAC, RE 1, que são obrigados (os que são atacados) a responder.

1975-11-30 - A Voz do nosso Povo - UDP - Nº 03

ONDE HÁ REPRESSÃO HÁ RESISTÊNCIA

O ESTADO DE SÍTIO só quer dizer uma coisa: liberdade para os fascistas e repressão sobre o povo. É isso: que se tem visto. Ainda não vimos buscas aos fascistas do PPD que disseram poder armar 50.000 homens, mas buscas á casas de revolucionários são efectuadas.
    Nos quartéis tenta-se instalar o terror - os militares progressistas são presos. O RDM fascista que os militares e
Governos “democráticos” não quiseram abolir, começa a ser finalmente aplicado Proíbem-se reuniões de soldados. Quer-se destruir a organização democrática dos soldados.
- Vários camaradas da UDP, foram presos, enquanto distribuíam comunicados ou vendiam o nosso jornal.
- Em Viseu os fascistas andam armados na rua e atacaram dois camaradas do jornal ”A Verdade”.
- A sede da LUAR em Lisboa foi revistada esta noite por uma força de cerca de 40 PSP armados de metralhadoras.

1975-11-23 - FOGO SOBRE A INTERSINDICAL DA TRAIÇÃO - MRPP

FOGO SOBRE A INTERSINDICAL DA TRAIÇÃO

VIVA A JUSTA LUTA DOS TRABALHADORES EM PORTUGAL PELA EXPULSÃO DOS SOCIAL-FASCISTAS DOS SINDICATOS!

Os senhores da Intersindical amarela, sobre convite dos seus homólogos franceses da CGT, andam a fazer uma digressão em França.
Mas afinal o que é que querem estes traidores da classe operaria? - Eles que sempre deitaram ao desprezo os emigrantes e agora de um momento para o outro lembram-se que existem emigrantes.                   .
Quando em Portugal, existem mais de 400.000 desempregados, sem contar os retornados pobres vindos de Angola, a Intersindical em vez de lutar pelas 40 horas semanais, contra o desemprego e pela unidade da classe operaria apoia a política traidora dos governos provisórios ao serviço dos exploradores. Foram eles que chamaram os operários a trabalhar 45 e 48 horas por semana, a dar dias de trabalho "para a Nação"; eles tudo fizeram para que os trabalhadores, apertassem o cinto para que os patrões o alargassem.

1975-11-30 - CÉLULA DA VARRENES 30-11-75 - MRPP

CÉLULA DA VARRENES 30-11-75

Camaradas,
Nós, militantes do M.R.P.P. em La Varennes (arredores de paris), vimos por intermédio desta carta, levantar alguns problemas que vêm dar dificuldades e travar o nosso trabalho de revolucionários.
1º Porque é que o Luta Popular não chega a França? Será que os portugueses emigrantes não fazem parte do povo português ou quê? Já há três semanas que não temos jornais para vender, e os que temos são arranjados por portas e travessas. Muitas críticas foram feitas sobre o desprezo que o Luta Popular vota ao partido na emigração. O Luta Popular não publicou nenhuma das críticas enviadas pelo movimento na emigração! Pelo contrário publicou vim artigo a perguntar se o Movimento na emigração "esta a dormir". Nós, militantes de La Varennes dizemos que: a dormir estará possivelmente a redacção e o director do Luta Popular.

1975-11-30 - OS SOCIAL-FASCISTAS REAGRUPAM FORÇAS - MRPP

MOVIMENTO REORGANIZATIVO DO PARTIDO DO PROLETARIADO!

OS SOCIAL-FASCISTAS REAGRUPAM FORÇAS

À CLASSE OPERARIA E AO POVO DE BRAGA:
Num acto de completo desespero, os social-fascistas puseram o país às portas de uma guerra civil contra-revolucionária, que podia ter-se generalizado, provocando confrontos armados entre unidades militares. É claro que este golpe se transformou no mais profundo fracasso devido ao seu carácter contra-revolucionário, anti-popular e ainda devido à ”valentia" dos oficiais social-fascistas (bem como todos os seus comparsas da FU”R") que ao primeiro abanão se desmoronaram dos pés à cabeça deixando abandonados os poucos soldados que conseguiram enganar ou que foram obrigados a segui-los. Tais atitudes não fazem pasmar ninguém, pois também, e cada vez mais, a classe Operária e o Povo se vão habituando a ver neles o que é o exemplo da traição e da cobardia: a traição à classe Operária e ao Povo procurando boicotar ou desviar as suas lutas; de cobardia logo que a classe operária e o Povo os desmascaram e se preparam para os escorraçar dos lugares que oportunisticamente assaltaram e tomaram, afim de melhor impedirem o avanço da REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR; de traição, ainda, quando os seus opositores, vendo que eles são impotentes para impedir o avanço da Revolução, lhes arreganham os dentes ou lhes dão um simples abanão para que se retirem, para depois tentarem eles, por sua vez, esmagar aquilo que os social-fascistas vão sendo, cada vez mais impotentes para o fazer; o avanço e triunfo da REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR. Num caso ou noutro, os social-fascistas ajoelham, tremem, entram no campo aberto da traição e conciliação, dão o dito por não dito, enfim, tornam-se grotescos e até ridículos.

1975-11-30 - NEM FASCISMO. NEM SOCIAL-FASCISMO. GOVERNO POPULAR! - MRPP

NEM FASCISMO.
NEM SOCIAL-FASCISMO.
GOVERNO POPULAR!
                                
O Partido dito Comunista continua, fiel à sua política oportunista feita de golpes e aventuras com as quais ele mostra ao povo, o seu verdadeiro carácter direitista e reaccionário.
O partido social-fascista de Barreirinhas Cunhal e os seus lacaios da "FUR » e outros que tal, desencadearam às cinco horas da manha de Terça-Feira do dia 25, uma tentativa de golpe de estado militar. Utilizando para isso um punhado de oficiais aventureiros, tais como:
- Major Dinis de Almeida (Ralis), Major Tomé (P.M), Major Azevedo (EPAM), Capitão Costa Martins (Força aérea),Capitão Durão Clemente (5ª Divisão) e o já conhecido golpista Coronel Varela Gomes (5ª Divisão), etc...

Servindo-se da influência destes elementos, no sector do exército que eles comandam, os social-fascistas, por meio do golpe militar, que falhou, pretendiam substituir o 6° Governo da burguesia, por um governo social-fascista inteiramente dominado pelo patrão Cunhal e os seus lacaios, agentes do social-imperialismo em Portugal.

1975-11-30 - MORTE AO SOCIAL-FASCISMO - MRPP

MORTE AO SOCIAL-FASCISMO

CAMARADAS:                           
   1- O nosso País está a um cabelo da guerra, civil. A disputa acesa entre as duas super-potências, os Estados Unidos e a União Soviética, sobre a posse do nosso País pode conduzir-nos para uma guerra civil contra-revolucionária banhar o nosso Povo em sangue. Dos fascistas, dos imperialistas, chefiados de Washington, nunca o nosso Povo nutriu ilusões ou esperanças, moveu-lhes sempre um combate de morte. Mas novos exploradores apareceram, dispostos a apoderarem-se de nós. Não são diferentes em nada dos primeiros, excepto no seu palavreado "socialista”. Dizem-se amigos da classe operária, mas são seus inimigos fidagais; dizem-se salvadores do Povo, mas só para o condenarem a uma exploração terrorista, e a uma repressão sangrenta.
De Governo em Governo foram aplicando toda a espécie de leis anti-operárias. Substituíram aos Patrões o estado dos Patrões, e á repressão fascista a repressão social-fascista. Viram-se escorraçados logo de início pela classe operaria e pelo Povo dos lugares onde se acoitavam e tudo o que vomitavam do seu cérebro era implacavelmente desmascarado. Tentaram de todas as maneiras abafar a revolução ascendente até que lhes reatou um único caminho: desencadear a guerra civil contra-revolucionária, substituindo a sua política direitista por uma política dita de esquerda, mas ainda mais vil e traiçoeira. De outra maneira seriam esmagados pela revolução. Perderam. A classe operária não correspondeu aos seus apelos de greves, nem se pôs do lado das suas "unidades militares progressistas". Desmascarou-os e correu-os de todos os lados e está disposta a enterrá-los para sempre.

1975-11-00 - O Tempo e o Modo Nº 114

EDITORIAL
O 25 DE NOVEMBRO
O topo da obra da contracorrente reaccionária

I
No dia 25 de Novembro, precisamente passados 19 meses após o 25 de Abril dos cravos, o país assistiu a mais uma manobra golpista da parte de um dos seus inimigos: o social-fascismo. Que ninguém alimente ilusões quanto à responsabilidade do desencadear do golpe, ele cabe inteiramente ao P«C»P do ex-ministro Barreirinhas Cunhal.
Desde há algum tempo que o partido dito «comunista» iniciara uma contracorrente reaccionária no seio da Revolução, precisamente com a intenção de desviar o forte movimento popular para as suas aventuras golpistas. É assim que nós vemos surgir os SUV no movimento dos soldados, os TUV no movimento operário, o MUTI para os intelectuais, etc., todos eles abundantemente insuflados pelos jornais controlados pelos social-fascistas e pagos com o dinheiro do povo.

domingo, 29 de novembro de 2015

1975-11-29 - ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS E ACTIVISTAS - FEML


1975-11-29 - AVISO AOS PROVOCADORES - MRPP

AVISO AOS PROVOCADORES

Camaradas:
Nos últimos dias e horas factos, relativos à segurança do nosso Partido e com uma certa gravidade têm vindo a ter lugar.
Provocadores fardados e à paisana, fascistas e social-fascistas, aproveitando uma situação que a partir do dia 25 ultimo julgam, de acordo com os respectivos pontos de vista ser-lhes favorável para atacar os marxistas-leninistas, tem desencadeado uma série de manobras de intimidação a simpatizantes e à Delegação, do nosso Movimento em Olhão.

1975-11-29 - O MRPP INFORMA O POVO - 3

O MRPP INFORMA O POVO 3
                                
Comissão de Imprensa do Comité Lenine
RESUMO NOTICIOSO

28 de Novembro
20H30m . Há conhecimento de que decorre em Tancos um Plenário para discutir a rendição.
21H00m . A Base Escola de Tancos, controlada pelos social-fascistas e que deu o sinal para o desencadear do golpe social-fascista de 25 de Novembro, rendeu-se oficialmente.
A rendição começou por ser negociada entre uma comissão de oficiais, sargentos e praças paraquedistas e o Ten. Cor. Almendra.
O Cor. Paraquedista Horácio Oliveira assumiu o comando da Base.
25H35m . Foram libertados, cerca das 17H00m os 2 dirigentes do Sindicato dos Técnicos de Desenho e o camarada técnico de desenho que haviam sido detidos de madrugada, por violação do recolher obrigatório.
23H45m . Por volta das l6H00m a PSP encerrou o jornal ACTUALIDADES, depois de ter feito, de manhã, uma busca.

1975-11-29 - Luta Popular Nº 155 - MRPP

ENTERRO DE VIVOS EM FUNERAL DE MORTO

Ontem à tarde, saiu da Estrela para o cemitério de Pataias, sua terra natal, o funeral do infeliz aspirante a oficial miliciano José Alberto Ascenso Bagagem, que perdeu a vida aquando do assalto efectuado pelos Comandos de Jaime Neves, na manhã do dia 26, ao Regimento de Polícia Militar.
O bando de terroristas assassinos, que dá pelo nome de ORP“C”/U“DP”, espalhou profusamente, nuns quantos lugares da cidade, umas papeladas convocando as “massas” para uma concentração no Largo da Estrela, a coincidir com a saída do funeral.
Umas escassas dezenas de pessoas, quadros e simpatizantes da ORP“C”/U“DP", respondeu ao apelo do grupúsculo convocador, o qual, como se sabe, é neste momento o melhor agente e cão de trela do partido revisionista de Barreirinhas Cunhal.
Entre os quadros e simpatizantes do delator Martins Rodrigues, encontrava-se o renegado Sanches, oportunista expulso das nossas fileiras.

1975-11-29 - POR UMA SOLUÇÃO POLÍTICA DA CRISE - PCP

NOTA DO SECRETARIADO DO COMITÉ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS

POR UMA SOLUÇÃO POLÍTICA DA CRISE

Alguns sectores políticos, assim como jornais do Norte e jornais estrangeiros estão lançando uma campanha contra o PCP em torno das recentes sublevações militares.
Ao mesmo tempo que sectores esquerdistas acusam o PCP de não ter querido participar no golpe, sectores reaccionários acusam o PCP de ter preparado e participado no «golpe para a conquista do poder».
A acusação cujos fins são óbvios, não tem qualquer fundamento.
De há muito, ainda do tempo do V Governo Provisório, o PCP se pronunciou contra um confronto militar e tem defendido uma solução política de crise.

Os extractos de documentos que se juntam a esta nota e que abrangem o período de 10 de Agosto a 28 de Novembro, mostram a persistência nesta orientação, a oposição a uma solução de força e de guerra civil, e a insistência numa solução resultante de negociação.

1975-11-29 - MORREU O COMUNISTA M-L JOAQUIM LEAL ASSASSINADO PELA BURGUESIA REACCIONÁRIA - OCMLP

MORREU O COMUNISTA M-L JOAQUIM LEAL ASSASSINADO PELA BURGUESIA REACCIONÁRIA

JUSTIÇA POPULAR PARA OS CARRASCOS DO POVO.

Morreu esta madrugada o comunista marxista-leninista Joaquim de Assunção Leal.
Cerca das 21,30 do dia 27, junto à Estação da Amadora, o nosso camarada Leal, foi mortalmente atingido pelas balas assassinas dos sanguinários “comandos” do facínora nazi Jaime Neves que a pretexto de interromper a venda de um pasquim do bando de provocadores do MRPP, abriram fogo baixo sobre o povo que passava no local, ferindo vários populares.
FOI ASSASSINADO UM AMIGO DO POVO E UM ANTI-FASCISTA CONSEQUENTE
O camarada Leal foi assassinado no meio do povo que tanto amava, por quem lutou durante anos, na dura clandestinidade do regime fascista de Salazar e Marcelo e após o 25 de Abril.
Durante o regime fascista foi dirigente cooperativista (Vis e Proelium) e colaborador de vários jornais anti-fascistas legais (Jornal do Centro e Comercio do Funchal).

1975-11-29 - Combate Socialista Nº 23 - II Série - PRT

ACTUALIDADE NACIONAL

Entre os acontecimentos que antecederam a tentativa de golpe militar "de esquerda" e a declaração do Estado de Sítio, merece ser destacada a Manifestação que o PCP, o MDP, algumas direcções sindicais e Comissões de Trabalhadores, convocaram para apoiar Costa Gomes em 20 de Novembro, logo após o VI Governo ter anunciado que suspendia as suas actividades. Essa manifestação pretendia ajudar o Presidente a superar as suas alegadas hesitações. Os mesmos manifestantes comunistas que alguns meses atrás tinham aplaudido Vasco Gonçalves e assobiado Costa Gomes foram desta vez a Belém para lhe pedirem que demitisse o Governo, e para lhe exigirem, segundo as suas próprias palavras, "que o Presidente da República não ceda ás chantagens do Governo". O Presidente da República primeiro não quis vir. Disseram as más línguas que tinha receio de voltar a ser assobiado. Os manifestantes responderam gritando em coro: "Mentira, mentira” — e Costa Gomes acabou por aparecer e discursar. O discurso foi constantemente interrompido pelos aplausos dos manifestantes, mesmo quando Costa Gomes fez uma alusão evidente e desdenhosa às lutas dos deficientes das Forças Armadas, dos Metalúrgicos e dos operários da Construção Civil: "... não concordo com a maior parte das manifestações, sobretudo com aquelas que podem ter um carácter pressionista ou um carácter que não esteja de acordo com os princípios nacionais. Felizmente que a vossa manifestação não está em nenhuma dessas finalidades". Até isto foi aplaudido. Assim se vê o pouco que ao PC interessam as lutas dos trabalhadores e como ele está disposto a abandoná-las rapidamente para ser reconhecido como o melhor amigo dos generais.

1975-11-29 - esmaguemos o social-fascismo! - UCRP(ml)

esmaguemos o social-fascismo!

O golpe social-fascista em que culminou a campanha contra o VI Governo levada a cabo no últimos tempos pelo 'PCP’ e seus lacaios da FUR e UDP fracassou devido à firme oposição das forçar democráticas.
À medida que os acontecimentos se iam desenrolando e caíam sucessivamente ponto-chave da ofensiva social-fascista, Cunhal antevendo que a continuação do seu empenhamento até ao fim num golpe que começava a fracassar teria como consequência a perda de posições importantes, como por exemplo na Armada, tenta sacudir a água do capote e lançar ar responsabilidades do golpe sobre os seus lacaios da FUR e UDP.
O partido social-fascista tenta esconder aos olhos do povo aquilo que é cada vez mais claro: que foi o ’PCP' o principal instigador deste golpe contra-revolucionário, com que pretendia reconquistar posições dominantes no poder de estado e avançar na instauração da ditadura social-fascista, ao serviço do social-imperialismo russo.

1975-11-00 - A SITUAÇÃO POLITICO-MILITAR - Lutar no Mar Lutar em Terra

SITUAÇÃO POLITICO-MILITAR

Estado de sítio na região militar de Lisboa

 Foi decretado no dia 25 de Novembro, o estado de sitio parcial na Região Militar de Lisboa. Os chefes militares mais reaccionário, tais como Jaime Neves, Pires Veloso, Morais e Silva entre outros, lavaram a cabo, toda uma actividade militar papa esmagar a organização dos soldados o marinheiros e destruir as unidades progressistas. A acção desenvolvida, constitui uma a ameaça às liberdades alcançadas pelo Povo português, e o regresso ao fascismo é, neste momento, um perigo real.
Assim, na zona militar de Lisboa foram retiradas ao povo as liberdades de manifestação, de expressão e de reunião, os jornais são obrigados a suspender a sua publicitação e a rádio e televisão passam a funcionar do Porto.
O que originou esta situação?
A política anti-operária e anti-popular do VI Governo, indo contra as justas reivindicações dos operários Metalúrgicos, os operários da Construção Civil, contra os assalariados agrícolas e camponeses pobres, a sua atitude contra as conquistas populares, e a criação dum exército de mercenários, para reprimir o povo, o atentado terrorista aos emissores do Rádio Renascença; a sua conciliação e o apoio nos sectores mais reaccionários e abertamente fascistas, tais como o PPD e o CDS, limitaram-lhe o destino: suspendeu a sua actividade, exigindo que as forças militares reprimissem a classe operária e o povo para melhor exultarem a sua política anti-democrática e anti-popular.

1970-11-29 - «FACTOS OCORRIDOS EM 29/11/70 nos PIM-PIM-NELAS - Movimento Estudantil

ESCLARECIMENTO
«FACTOS OCORRIDOS EM 29/11/70 nos PIM-PIM-NELAS

No dia seguinte a primeira distribuição deste comunicado, efectuou-se na «República dos Pim-pim-nelas” uma reunião de seus antigos moradores, reunião essa que tinha sido convocada pelos dois únicos elementos discordantes da cisão com o “Conselho de Repúblicas” expressa neste comunicado. Com efeito, esta cisão resultou de várias reuniões de casa em que as posições se foram definindo na proporção de cinco para dois. A maioria qualificada expressou, então, a sua posição no comunicado conjunto das três repúblicos interessadas numa crítica desmistificante da organização “Conselho de Republicas”.

1970-11-29 - À ACADEMIA ESCLARECIMENTO DA REPUBLICA DOS PIM-PIM-NELAS - Movimento Estudantil

À ACADEMIA
ESCLARECIMENTO DA REPUBLICA DOS PIM-PIM-NELAS

Vários elementos da República dos Pim-Pim-Nelas, usando abusivamente do nome desta República, subscreveram um comunicado à Academia que, pelo seu cariz acentuadamente anti-estudantil e anti-democrático importa esclarecer.
Assim sendo e considerando que:

sábado, 28 de novembro de 2015

1975-11-28 - 25 DE NOVEMBRO Derrota do Golpismo, Vitória da Democracia. - PS

PARTIDO SOCIALISTA

25 DE NOVEMBRO
Derrota do Golpismo, Vitória da Democracia.

A aventara anti-democrática e contra revolucionária de 25 de Novembro veio confirmar a prevenção de há muito feita pelo PS contra os desígnios golpistas dum sector extremista das Forças Amadas que vinha agindo em estreita cooperação com grupos políticos da extrema esquerda instrumentalizados pelo PCP. Tivemos rezão em tomar a iniciativa de no dia 1 de Outubro alertar o País para e iminência desse golpe. O que se vinha tramando para esse dia teve lugar agora na sequência de um trabalho de desagregação de unidades militares e nomeadamente dos paraquedistas que se intensificou sobremaneira após o falhanço dessa primeira tentativa oportunamente por nós denunciada. Está hoje claramente demonstrada a validade das criticas que fomos dirigindo ao golpismo da 5ª Divisão Gonçalvista, dos seus aliados da extrema esquerda militar e das forças políticas que os apoiaram e os manobraram. Está igualmente demonstrada a razão de ser dos apeias que insistentemente fomos fazendo ao Presidente da República para tomar as medidas enérgicas que há muito se impunham a fim de pôr cobro à indisciplina de várias unidades militares e à irresponsabilidade de alguns altos chefes militares.

1975-11-28 - NOTA DO PCP NO DIA 28 DE NOVEMBRO

NOTA DO PCP NO DIA 28 DE NOVEMBRO

1. Os acontecimentos dos últimos dias representam uma pesada derrota das forças da esquerda militar e das forças revolucionárias no seu conjunto e um avanço das forças da reacção que tomam fortes posições no aparelho militar e no sistema do Poder.
O perigo é real e imediato para a jovem democracia instaurada com o 25 de Abril.
A seu tempo os acontecimentos terão de ser examinados em profundidade. Desde já interessa tirar algumas primeiras lições e definir uma linha de orientação e de actuação na nova situação criada.
2. Ao longo do desenvolvimento da crise, o PCP defendeu com insistência uma solução política.
Advertiu de que um confronto entre forças que têm estado com o processo revolucionário aproveitaria à contra-revolução.
Advertiu tanto dos perigos para a democracia da política de aliança à direita do PS e dos sectores moderados do MFA, como dos perigos da orientação e actividade divisionista e aventureirista de grupos e sectores que com o seu radicalismo ultra-revolucionário conduziam ao isolamento e descoordenação das forças de esquerda e ao seu arrastamento para confrontos condenados à derrota.

1975-11-28 - 01 - COMÍCIO no Porto - OCMLP


1975-11-28 - GRANDE COMÍCIO - OCMLP

GRANDE COMÍCIO

Sexta-feira 28 Novembro
Palácio 21,30

SERÁ ANALISADA A SITUAÇÃO POLÍTICA ACTUAL
NA HORA EM QUE A CLASSE OPERARIA PRECISA MAIS DO SEU PARTIDO
     VIVA O PARTIDO RECONSTRUÍDO

1975-11-28 - A Causa Operária Nº 22

COMUNICADO CONJUNTO DA ORPC(m-l) E DO CMLP
CONTRA O ESTADO DE SÍTIO! VIGILÂNCIA AO GOLPE FASCISTA!

Face aos graves acontecimentos que se sucedem na zona de Lisboa e que tem repercussões por todo o país, a ORPC (m-l) e o CMLP, organizações marxistas-leninistas, apelam a todo o povo para se unir como uma rocha, tirar rapidamente as lições de todas as ilusões, enganos e traições e arrancar numa nova fase de luta. O povo tem de pre­parar-se para uma batalha árdua pela defesa das liber­dades conquistadas depois de meio século de fascismo.
A declaração do estado de sítio, e a sua manutenção por forças como a PSP e GNR e tendo como chefe o reaccionário Jaime Neves, está fazendo deslizar a situação rapidamente para o fascismo. A manutenção do estado de sítio com a supressão completa das liberdades públicas, da liberdade de imprensa é um acto que satisfaz plenamente o plano da burguesia reaccionária e do imperialismo americano para fazer voltar de novo o fascismo a Portugal.

1975-11-28 - REFORCEMOS A FRENTE PROLETÁRIA NA LUTA CONTRA OS ATAQUES DA BURGUESIA ÀS CONQUISTAS DAS MASSAS! - LCI

REFORCEMOS A FRENTE PROLETÁRIA NA LUTA CONTRA OS ATAQUES DA BURGUESIA ÀS CONQUISTAS DAS MASSAS!

Os militares reaccionários do Conselho da Revolução, o PPD e o CDS respiram aliviados sob o rigor do Estado de Sítio, a ordem reina em Lisboa. O PS segue-os mas advertindo ao mesmo tempo contra os perigos que as forças fascistas assumam a iniciativa da repressão sobre os trabalhadores, transformando-a num ataque ao conjunto do movimento operário, que o atinge a ele próprio.
A manutenção do Estado de Sítio permite a proibição das manifestações, das reuniões, da saída de jornais procurando dificultar ao máximo a resposta dos trabalhadores. A ocupação da Rádio, da Televisão e aos jornais, que permite o seu controle reaccionário, reduz as informações aos comunicados oficiais. Os programas da Rádio voltam a servir apenas para tentar afastar as atenções dos trabalhadores da luta de classes e da exploração de que são vítimas. Estão previstos rigorosos inquéritos às estações de rádio e aos jornais e medidas administrativas nas costas dos trabalhadores. A entrega da Rádio Renascença ao patriarcado reaccionário parece estar iminente.

1975-11-28 - PREPARA-SE UM GOLPE FASCISTA! TODOS À GREVE! - UDP

PREPARA-SE UM GOLPE FASCISTA!
TODOS À GREVE!

CAMARADAS:
O Estado de sítio decretado pelos reaccionários encobre o golpe fascista em preparação!
Estão neste momento presos dezenas de oficiais e sargentos progressistas. A REPRESSÃO VAI ALASTRAR-SE!
Que a classe operária, todos os trabalhadores se mantenham firmes!
Só assim deteremos os fascistas!
Eles dizem defender a revolução e prendem os progressistas, reprimem a organização dos soldados,
Amanhã irão virar-se contra as nossas liberdades e contra os revolucionários. É O COMEÇO DA REPRESSÃO!...
Desmascaremos e isolemos os traidores que nos querem atar as mãos!
TODOS À GREVE TOTAL! TODOS AOS QUARTÉIS!
TEMOS QUE DEFENDERMO-NOS POR TODOS OS MEIOS!
NÃO AO GOLPE! O ESTADO DE SITIO É A PREPARAÇÃO DO GOLPE FASCISTA
TODOS À RUA! TODOS AOS QUARTÉIS!

U.D.P.- União Democrática Popular 28-11-75

1975-11-28 - CARTA AO POVO DO NORTE EM DEFESA DAS LIBERDADES - UDP

CARTA AO POVO DO NORTE EM DEFESA DAS LIBERDADES

1. Os trabalhadores deste país, perante a situação que se esta a viver sobretudo na região de Lisboa, interrogam-se sobre o destino que está a ser dado às liberdades democráticas e às conquistas populares desde o 25 de Abril.
De manobra em manobra, de golpe em golpe, os manobradores de ontem acusam os golpistas de hoje, como os de hoje acusarão os de amanhã. Esse pântano em que andam metidos todos esses políticos burgueses, militares e civis, que - hoje como ontem - fazem tudo menos responder às necessidades e aspirações do nosso Povo, fazem tudo menos atacar e liquidar os mais ferozes inimigos do Povo - o fascismo e o imperialismo americano.
Senhores militares que vos dizeis "socialistas" e "anti-fascista”: quantas vezes proclamastes o estado de sítio contra os fascistas, aos quais tendes deixado campo livre para atacar, incendiar, organizar provocações e atentados, sabotarem a economia e falarem pela boca dos seus braços legais que são o PPD e o CDS? Quantos estados de sítio proclamastes contra o fascismo que está vivo, organizado, armado neste país? Contra os jornais reaccionários e fascistas que difundem as ideias do ELP e do MDLP por essas vilas e cidades, quantas vezes impusestes a censura ou o silêncio?

1975-11-28 - A Voz do nosso Povo Nº 01 - UDP

ALERTA TRABALHADORES!
ESTÁ EM MARCHA UM GOLPE FASCISTA!

Está em marcha um golpe fascista. A repressão à luta dos camaradas pára-quedistas nela democratização das Forças Armadas e contra as medidas repressivas do seu chefe de Estado Maior, general Morais e Silva, foi o pretexto para as forças reaccionárias se lançarem em manobras muito mais vastas, visando a destruição do movimento democrático dos soldados e marinheiros, a dissolução das unidades progressistas, a repressão sobre os soldados, sargentos e oficiais antifascistas que se souberam colocar ao lado do povo.
 Este primeiro ataque visa por outro lado destruir todas as conquistas do movimento popular; a Reforma Agrária, as Nacionalizações, as ocupações de casas, a Informação ao serviço do Povo, e principalmente a organização popular, as Comissões de Trabalhadores e Moradores, os Conselhos de Aldeia, as Comissões de Soldados e Marinheiros.
O ataque as conquistas do movimento popular só pode fazer-se mediante o esmagamento das liberdades democráticas, da liberdade de reunião, associação, informação, manifestação e greve.

1975-11-28 - OS ESTUDANTES DEVEM LUTAR UNIDOS AO POVO CONTRA FASCISTAS E SOCIAL-FASCISTAS E SOB A DIRECÇÃO DA CLASSE OPERÁRIA! - FEML

A REVOLUÇÃO TEM DE AVANÇAR A TODO O VAPOR
OS ESTUDANTES DEVEM LUTAR UNIDOS AO POVO
CONTRA FASCISTAS E SOCIAL-FASCISTAS E SOB A DIRECÇÃO DA CLASSE OPERÁRIA!

No dia 25 de Novembro, os social-fascistas do P”C"P desencadearam o seu golpe contra-revolucionário, mostrando toda a sua política aventureira própria de grupelhos completamente isolados das massas. Logo de seguida se fez notar o contra-golpe da outra clique da burguesia tentando tudo por conquistar posições no aparelho de estado. É assim que apare­cem estes dois abutres a guerrearem-se para conseguir a hegemonia no poder.

1975-11-28 - Tirar da nossa boca a côdea e dividi-la com o povo irmão de Timor - FEML

Tirar da nossa boca a côdea e dividi-la com o povo irmão de Timor

PONTO DA SITUAÇÃO EM TIMOR-LESTE
1 – A situação em todo o território Nacional de Timor-Leste é calma, excepto nas zonas fronteiriças de Balibó e Batugadé, esperando-se para breve a tomada pelas FALINTIL dessas mesmas zonas.
2 - Aviões, barcos de guerra, helicópteros, estão a bombardear constantemente as zonas fronteiriças.
3 - Ontem as zonas fronteiriças de Fatumean e de Maliana foram bombardeadas com artilharia pesada e a partir de território indonésio.
4 - A INDONÉSIA continua a fornecer armas, equipamento bélico, soldados, bem como campo de treino às forças reaccionárias da UDT/MAC e APODETI.
As forças invasoras raptaram todos os professores da missão católica de Maliana, entre eles o português Padre Bruno, aquando da sua retirada maciça.
5 - Na semana passada, cerca de 40 refugiados timores na Indonésia, revoltaram-se contra as autoridades e dirigentes da UDT/MAC e sendo apenas 11 os que conseguiram chegar a Bobanaro, tendo sido mortos os restantes. Foi calculado que o número de refugiados em Atambua (território indonésio) era cerca de, 10000. Mas a maioria absoluta foi coagida pela UDT/MAC aquando da sua retirada para território indonésio.

26 de Outubro - 13 H Lisboa CAFP

1975-11-28 - ABAIXO O SINDICATO SOCIAL-FASCISTA DE DELÃES! - MRPP

ABAIXO O SINDICATO SOCIAL-FASCISTA DE DELÃES!
MORTE AOS TRAIDORES!

CAMARADAS OPERÁRIOS E TRABALHADORES DA INDUSTRIA TÊXTIL:

1 - 25.000 operários e trabalhadores têxteis encontram-se filiados no Sindicato social-fascista da Delães. Ainda que mal se compreenda a maneira como a direcção deste Sindicato ali se assentou, não deixa de aparecer claro aos olhos de todos que este Sindicato esteve e está, desde o início ao serviço dos agentes do KGB no nosso País, os lacaios do russo branco Barreirinhas Cunhal.
25.000  operários e trabalhadores têxteis estão, pois, sob uma direcção traidora, descontai para uma direcção covarde e golpista.
25.000  operários e trabalhadores têxteis são diariamente assassinados pelas costas.
O Sindicato têxtil de Delães é um covil de ladrões, é um antro de oportunistas e de aventureiristas.

1975-11-28 - Luta Popular Nº 153 - MRPP

INTENSIFICAR A LUTA CONTRA O SOCIAL-FASCISMO EM TODAS AS FRENTES

No momento em que a aventura militar para a qual, sem êxito, os social-fascistas procuraram arrastar o povo, fracassou, a questão central que se põe ao movimento operário é o de perseguir e abater a besta ferida em todos os seus redutos, em todas as frentes de luta.
O social-fascismo, ao ver o seu golpe fracassar, ensaia a retirada com vista a preservar o essencial das suas forças político-militares, das suas posições no aparelho burocrático-militar e no movimento sindical. A sua táctica é de manter intacta o essencial do seu manancial contra-revolucionário, ganhar o mínimo de tempo indispensável e ensaiar o contra-ataque, ensaiar o novo golpe contra-revolucionário. O perigo desse contra-ataque é real, tanto mais que os social-fascistas contam com a hesitação e a conciliação por parte do sector pequeno-burguês democrático e o sector da média burguesia que dirigiram a resposta à aventura contra-revolucionária. Impedir que esse contra-ataque das tropas imunes e frescas do social-fascismo se desencadeie, é pois tarefa central do proletariado revolucionário que ele só poderá cumprir se, em todas as fábricas, nos quartéis, no movimento camponês, no movimento sindical, nas escolas, etc., passar a um ataque enérgico e decidido contra os aventureiros e traidores, escorraçando-os implacavelmente.

1975-11-28 - INFORMAÇÃO N° 13 - Movimento Estudantil

COMISSÃO REVOLUCIONARIA DA FACULDADE DE DIREITO DEPARTAMENTO DE INFORMAÇÃO E PROPAGANDA

INFORMAÇÃO N° 13                                
28/11/75

00 h - A RTP transmite uma entrevista com Vasco Lourenço. Segundo este oficial, não desejam resolver militarmente o problema de Tancos.
O "problema de Tancos" é o reagrupamento das forças social-fascistas em ordem ao reactivar do golpe.
Os noticiários da Rádio Moscovo e Rádio Praga namoram Melo Antunes e referem com grande insistência a atitude deste conciliador em persistir na participação do P"C"P no governo.
00h40 m - Há suspeita da existência de grupos armados ao longo da fronteira Norte.
Olh50 m - Incidentes na Cova da Piedade com alguns social-fascistas da U"DP".
Mais tarde alguns fuzileiros efectuariam algumas prisões.
02h50m - Os soldados que no Marquês de Pombal (ao fundo da Duque de Loulé) faziam o controle do trânsito, ajudados por elementos à civil, levaram preso um civil depois de se ouvir um tiro.
03h10m - Verificou-se ao fundo do Parque Eduardo VII o rebentamento do que parecia ser um petardo.
04h40m - Os comandos informam a EPC que uma coluna com duas Berliets e um jeep com militares armados passou a ponte da Chamusca em direcção ao Entroncamento.

1970-11-28 - REQUIEM PELO CONSELHO DE REPÚBLICAS - Movimento Estudantil

INFORMAÇÃO À ACADEMIA
REQUIEM PELO CONSELHO DE REPÚBLICAS

Numa altura em que a política do capital, devido às necessidades prementes de acumulação, tomava através de seu porta-voz, - Governo -, uma forma francamente fascista e em que o sistema nem sequer podia comportar uma certa contestação maleavel o centrista, o Conselho de Republicas encontrou um meio propício para trabalhar: afastamento das massas, não existência de grupos teoricamente formados, e consequentemente, impossibilidade de funcionamento das estruturas autenticamente representativa.
Substituindo-se às organizações de massa, e aproveitando-se da consciência democrática do estudante, que não punha em causa as contradições sociais nas suas últimas consequências, - a luta de classes -, o Conselho de Republicas lança-se num processo de luta que conseguiu em determinada época histórica apoio das massas, mas que estas, pela sua dinâmica própria, viriam a ultrapassar. Torna-se então, o Conselho de Repúblicas, o eco da consciência retrógradas das camadas mais recuadas dos estudantes. Assim, a Direcção da A.A.C. de 68/69, Direcção C.R., apresentou-se indo. durante a sua legislatura como refreadora dos estudantes, quando os aconselhou em Outubro/69 a pararem o seu movimento e a irem a exames.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

1975-11-27 - COMUNICADO DAS TROPAS PÁRA-QUEDISTAS

COMUNICADO DAS TROPAS PÁRA-QUEDISTAS

1. ANTECEDENTES
Os acontecimentos de 28 de Setembro, de 11 de Março e da recente destruição da Rádio Renascença em que as forças páraquedistas foram utilizadas peles contra-revolucionários vieram consciencializar as Forças Pára-Quedistas para a necessidade imperiosa de não tornarem a deixar-se enganar pela hierarquia e disciplina tradicionais repressivas.
Nós Pára-Quedistas estamos com a classe trabalhadora e intransigentes na defesa dos seus interesses. Somos uma força revolucionária ao serviço dos explorados e oprimidos.
Nesta conformidade não podemos aceitar a decisão do CEMFA, General Morais e Silva, em pretender destruir-nos ao despachar a passagem à disponibilidade todas as praças e transferindo os restantes militares e civis. Apoiando a atitude de abandono de 123 oficiais desta unidade desprezando a transferência de serviços e materiais à responsabilidade desses mesmos oficiais, o General Morais e Silva demonstrou claramente estar do lado dos que defendem a hierarquia conservadora, tradicional e repressiva; hierarquia esta incompatível com a hierarquia consentida e disciplina revolucionária. O abandono desses oficiais e as posteriores tomadas de posição do CEMFA vieram dar ainda maior ânimo a que se instalasse em nós uma forte e consciente disciplina e consequente maior operacionalidade.

1975-11-27 - À CLASSE OPERÁRIA! AOS CAMARADAS SOLDADOS E MARINHEIROS! AO POVO DE LISBOA! - OCMLP

À CLASSE OPERÁRIA!
AOS CAMARADAS SOLDADOS E MARINHEIROS!
AO POVO DE LISBOA!

Hoje, cerca das 21.30, o nosso camarada Joaquim Leal foi gravemente ferido pelas balas assassinas dos "comandos" do facínora Jaime Neves.
A essa hora, um grupo de provocadores do MRPP vendia o seu pasquim junto à estação da Amadora, quando uma força dos "comandos" do fascista Jaime Neves, em mais uma "heróica" acção militar, carregou a tiro, disparando rajadas de metralhadora para o meio dos populares que se encontravam no local, ferindo o nosso camarada, trabalhador da Eduardo Jorge, que se encontrava de passagem no local, de regresso a casa.
Esta acção, perfeitamente despropositada, para reprimir a venda pública do pasquim do grupelho provocador do MRPP, a coberto da declaração de estado de sítio, assume as características do ajuste de contas particular e, demonstra por outro lado, a veleidade com que os reaccionários fascistas actuam já neste caso, e mais uma vez representados pelo facínora nazi Jaime Neves e seus "comandos", elevados a heróis nacionais da burguesia reaccionária, pelo seu papel na contra-ofensiva ao golpe social-fascista, na repressão às massas populares e na reposição da "autoridade" aproveitando o caminho aberto pelas manobras reaccionárias social-fascistas da escumalha revisionista de Cunhal e seus acólitos, consolidando o avanço para a mais feroz repressão fascista.

1975-11-27 - O Grito do Povo - À CLASSE OPERÁRIA! AO POVO TRABALHADOR DE CEDOFEITA!

À CLASSE OPERÁRIA!
AO POVO TRABALHADOR DE CEDOFEITA!

CAMARADAS:
Na sexta-feira, DIA 28 de NOVEMBRO às 21,30, vai realizar-se no PALÁCIO um grande comício da O.C.M.L.P., cujo tema principal será:
VIVA O PARTIDO RECONSTRUÍDO!
Camaradas, o circulo de Cedofeita de o "O GRITO DO POVO”, convoca todos os simpatizantes do Comunismo do Partido Comunista Reconstruído todos os verdadeiros Democratas e Patriotas a concentrarem-se na sua sede (R. Cedofeita nº 601, às 21 horas), para de lá e em massa, partirmos unidos e organizados para o Comício.

1975-11-27 - NEM FASCISTAS, NEM SOCIAL-FASCISTAS! EM FRENTE PELO CONTROLO OPERÁRIO! - MRPP

NEM FASCISTAS, NEM SOCIAL-FASCISTAS!
EM FRENTE PELO CONTROLO OPERÁRIO!

1 – A tentativa de golpe de Estado social-fascista que arrastou, o país para uma situação em que a guerra civil contra-revolucionária está por um cabelo, na qual ja se perderam vidas de filhos do povo, e permitiu a medida fascista da declaração do Estado de Emergência, foi antecedida por uma longa preparação no sector da propaganda de que foram peças essenciais os órgãos de "Informação” sob controlo Estatal, pagos com o dinheiro do povo, mas ao exclusivo serviço do sector social-fascista da burguesia.
2 - Em  recuo os social-fascistas, traidores não só do povo, como dos seus aliados, começam a sacudir a água do capote, rejeitando toda a responsabilidade no golpe para os seus parceiros da FU”R" e da U"DP" e ensaiando uma plataforma comum com o sector da burguesia que há poucos dias afirmavam combater, sector este que mais não faz do que preparar-se para a reunião de forças e meios militares que permitam aos capitalistas ensaiar uma nova manobra contra-revolucionária para pôr temo a crise profunda que abala todo o sistema de exploração vigente, aceitam as normas do Estado de Sitio parcial (medida contra-revolucionária de carácter fascista), o encerramento de emissoras e jornais, numa tentativa de virem a manter-se neles seja qual for o resultado do seu golpe.

Arquivo