sexta-feira, 21 de setembro de 2018

1978-09-21 - folha CDS Nº 137 - CDS


137 folha CDS 21.9.78

Assim vão as coisas

1. III GOVERNO — UM CORPO SEM ALMA — Narana Coissoró membro da Direcção do Grupo Parlamentar do CDS afirmou em relação ao III Governo:

— É do conhecimento público que o CDS não aceita que na composição deste Governo haja individualidades que se colocam à esquerda do PS, sendo algumas delas próximas do PCP ou do MDP/CDE.

— É para nós a fronteira da democracia. É a linha divisória entre a democracia política e a ditadura do proletariado, entre o mundo ocidental e o mundo comunista, entre a NATO e o Pacto de Varsóvia, entre os adeptos da integração europeia e os partidários do nacionalismo terceiro-mundista.

1978-09-21 - O Povo de Guimarães Nº 030

Para ver todo o documento clik  AQUI

Os Altos Interesses da Nação
JOSÉ CRAVEIRO

1 — Quando na semana transacta se debatia na Assembleia da República, por entre raios e coriscos, o programa do recém-nado-defunto III Governo Constitucional, o dedo áspero e decidido do deputado socialista António Arnaut apontou vários teratomas que desfeiam e corroem a saúde dos serviços médicos em Portugal.
Dentre outros, exibiu o caso de um Esculápio que, no distrito da Guarda, acumula doze cargos médicos oficiais. Vejam só! De que maravilhas é capaz o empenho de servir de alguns cidadãos!
António Arnaut não o disse, mas é de crer que tão expedito funcionário consiga tempo disponível para gozar um mês de merecidas férias em cada ano, um mês diferente por cada um dos seus doze cargos; e já não será maravilha que acumule em cada mês as férias que lhe são devidas nos onze cargos restantes.

1978-09-21 - ENCONTRO SINDICAL NACIONAL - UDP


ENCONTRO SINDICAL NACIONAL

CONVITE

A(O) CAMARADA

Nós próximos dias 7 e 8 de Outubro decorrerá no GINÁSIO DA BAIXA DA BANHEIRA, BARREIRO, o Encontro Sindical Nacional da União Democrática Popular.

O Encontro Sindical propõe-se discutir com os trabalhadores, num processo amplo e aberto (e com todos os interessados nos problemas do sector) os meios e os processos a seguir para o fortalecimento da Corrente Sindical Unitária e Revolucionária, "no sentido de levar os trabalhadores a um combate cada vez mais eficaz contra o Capital e, ainda, a atrair as largas massas laboriosas para o caminho de uma sociedade livre da corrupção e exploração capitalistas" - Projecto de Resolução Sindical.

1978-09-21 - Unidade Popular Nº 172 - PCP(ml)

Para ver todo o documento clik  AQUI

O Comité Central do PCP(m-l) convoca o VIII Congresso
- A preparação do Congresso inicia-se desde já

Em 16 de Setembro de 1978 realizou-se a VII Reunião Plenária do VII Comité Central do PCP(m-l).
O Comité Central decidiu convocar o VIII Congresso do Partido, a ter lugar nos dias 10, 11 e 12 de Fevereiro de 1979, podendo esta data ser alterada caso a conjuntura política do país o aconselhe.
A ordem de trabalhos do VIII Congresso será a seguinte:
1 - Leitura do Informe da actividade do Comité Central.
2 - Problemas actuais e perspectivas do movimento comunista internacional e do movimento operário e popular.

1978-09-21 - manifesto - Sindicato dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios e Vestuários do Sul


Sindicato dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios e Vestuários do Sul
Eleições para os Secretariados Regionais


manifesto

LUTA-UNIDADE-VITÓRIA


Os Secretariados Regionais do nosso Sindicato foram eleitos há 3 anos nas regiões de Moscavide, Portalegre, Cacem, Torres Novas, Almada e Barreiro. Aproximando-se agora o fim do mandato, a Direcção tem adiado as novas eleições e, quanto ao Cacém e Portalegre, nem sequer pretende que se efectuem por "não haver condições!".

Os operários e operárias têxteis já conhecem a política que tem sido seguida pela Direcção e pelos tais Secretariados eleitos há 3 anos. Quando eles dizem que "não há condições", "não temos força" e outras coisas do género, a realidade é que quem se não sente com forças - e tem razão para isso - é a Direcção. As últimas eleições; as assembleias com 20 pessoas; uma delas a aprovar o orçamento; a aprovação do donativo de 50 contos para a escola da Intersindical por apenas 9 votos,- a atitude que têm adoptado em relação a todas as lutas - são bem a imagem do isolamento da Direcção junto dos operários e explicam porque não quer fazer as eleições dos Secretariados.

1978-09-21 - Luta Popular Nº 614 - PCTP/MRPP

Para ver todo o documento clik  AQUI
EDITORIAL
DO GOVERNO QUE NÃO AO NÃO GOVERNO QUE


I

Os actos políticos da última semana confirmam singularmente a justeza das previsões do nosso Partido acerca da natureza e do papel do III Governo e da inevitabilidade, em termos práticos, da sua passagem no Parlamento De facto, acontece esta coisa aparentemente insólita: a queda do III Governo na AR e meramente formal e destituída de quaisquer efeitos reais. Não existe nenhuma espécie de alternativa para ele por parte dos partidos que o apearam ou dos demais partidos burgueses, nem imediatamente nem a prazo, de tal forma que ele se mantém tranquilamente a governar tal qual tivesse sido aprovado o seu programa! Situação que ocorre não só sem a oposição, como com o apoio mais ou menos resignado, mais ou menos expresso de todos os partidos do capital, a começar pelos seus aparente e verbalmente mais truculentos detractores. A própria imprensa da burguesia deixou de dar qualquer relevo ao problema de um futuro Governo, considerando ser esta situação inteiramente normal e desejável para a sua classe. Esboçando mesmo o seu sector ligado ao grande capital privado, uma nova interpretação constitucional para explicar que o III Governo pode manter-se indefinidamente, mesmo contra a AR, desde que com a confiança do Presidente da República. O que significa, e já publicamente se admite, que o III não Governo, derrubado na AR e de mera gestão, possa vir a ser o mais longo, ministério de todos os nove governos até agora formados, entre provisórios e definitivos, e que na realidade não conseguiram governar. Questão aliás que, longe de depender simplesmente da «limpeza» no campo da burguesia, está condicionada, antes de mais, para este como para os outros, da firmeza e da determinação combativas das massas em se opor aos seus desígnios reaccionários.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

1973-09-20 - EM FRENTE PELO REFORÇO DO MOVIMENTO PROGRESSISTA NA UNIVERSIDADE! - Movimento Estudantil


EM FRENTE PELO REFORÇO DO MOVIMENTO PROGRESSISTA NA UNIVERSIDADE!
APOIEMOS A LUTA DOS ESTUDANTES DO TÉCNICO!

1. É bem patente a agudização das contradições sociais no nosso país. Perante a inevitabilidade da integração no bloco económico europeu, sendo, obrigada a destruir um apôs outro todos os sistemas de protecção contra a concorrência estrangeira que foi erguendo ao longo dos anos para poder tranquilamente proceder à acumulação de capital necessária ao seu desenvolvimento, vendo os grupos económicos imperialistas a correrem a toda a pressa para o saque de uma mão-de-obra barata e de um mercado em grande parte inexplorado, à burguesia portuguesa não resta outra solução senão uma acelaração do processo de desenvolvimento, se quiser assegurar uma posição que lhe permita regatear com o imperialismo internacional o maior quinhão do grande bolo amassado com o suor dos trabalhadores portugueses e das colónias. É a febre das infra-estruturas, das vias de comunicação, dos parques industriais, da produtividade, dos gabinetes de gestão e planeamento.