Translate

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

1971-09-30 - CIRCULAR Nº 12 - CNSPP

Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos

30 Setembro 1971
CIRCULAR Nº 12

LISBOA — PORTO — COIMBRA Constituída ao abrigo do Art.° 199.° do Código Civil

À REPRESSÃO RESPONDER COM A SOLIDARIEDADE
A escalada da repressão de que se falava já na nossa circular nº 9, de 31 de Março., continuou pelo ano fora: ate essa data as prisões efectuadas desde o início do ano tinham sido de 65 - numero já alarmante; no fim do 12 semestre, a 30 de Junho, somavam 128 e no final de Agosto 175. Em 8 meses, o número de prisões ultrapassava já o total efectuado no ano anterior, que fora de 165, o qual, por sua vez suplantara de longe o movimento de 1969. Deste modo, o número total de presos políticos, de acordo com as informações de que a CNSPP pode dispor, vem sempre completas e actualizadas, e a 30 de Setembro (aproximadamente) de 160, das quais 62 em cumprimento de pena e cerca de 100 em prisão preventiva. Este número e o dobro dos presos políticos recenseados pela Comissão em 31 de Dezembro do ano findo.

1971-09-30 - comunicado nº 26 - Movimento Estudantil

comunicado nº 26
Coimbra, 30 de Setembro de 1971

1 – 1971 era o ano da  "reforma do ensino" mas não era o ano da Reforma do ensino. Os jornais falavam da "reforma". A rádio falava na "reforma". A televisão falava na "reforma". O país afinal de contas precisava de uma reforma do ensino. No poder uns diziam que parecia que sim, outros diziam que parecia que não e tanta surpresa misturava-se com tanta audácia. Comoventemente elogios mútuos seguem-se a conselhos mútuos. Veiga Simão era uma caixinha de surpresas que tinha lá dentro outra caixinha de surpresas. Queria convencer todos, queria convencer-se a si em primeiro lugar, depois o país. VEIGA SIMÃO QUERIA CONVENCER TAMBÉM O ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO PORTUGUÊS:
Seu principal método de persuasão - a violência.
Por isso, Coimbra "Reformada”. O que foi, o que é?
A Associação Académica de Coimbra encerrada. Rapina da A.A.C.. Não reconhecimento das Juntas de Delegados. Tentativa de controle das Reuniões a todos os níveis. Não homologação dos membros dos Corpos Gerentes da A.A.C.. Processos disciplinares, processos-crime. Prisões, torturas, brutalidade, invasões de Faculdades pelas forças policiais, estado de sítio. Proibição de Reuniões e antes de mais proibição das Assembleias Magnas. Interdições ao direito de informar.

1976-09-30 - Luta Popular Nº 406 - MRPP

Enquanto prosseguem as ameaças aos assalariados rurais
SOMENTE 318 HECTARES DE TERRA EXPROPRIADOS ONTEM

•Novas manifestações de resistência
e A santíssima aliança pela boca do Governador Civil de Setúbal
•Demagogia social-fascista a propósito de herdades do Vale do Sorraia
•A importância dos próximos combates

Prosseguiram ontem as desocupações de terras. Segundo o comunicado distribuído pelo MAI prosseguiram as conversações entre os representamos governamentais e as direcções sindicais vendidas no distrito de Santarém, onde não teve lugar qualquer desocupação bem como nos distritos de Portalegre e Évora. Somente em Beja foram desocupadas as seguintes propriedades: Ferragial do Touro, Courela do Varela, Touro, Boavista e Lameirão num total de 25 hectares, Monte da Ponte e Entre as Ribeiras (272 ha.) e uma propriedade pertencente a João Cola­ço Ximenes Pinto, no teta; de 19 ha.

1976-09-30 - Bandeira Vermelha Nº 037 - PCP(R)

EDITORIAL
Quatro princípios leninistas para a direcção da luta de massas

A experiência acumulada pelo nosso Partido desde o Congresso de Reconstrução até hoje e, sobretudo, a experiência adquirida no decorrer do movimento de revolucionarização e proletarização, foram recolhidas nas resoluções aprovadas na 6.ª Reunião Plenária do CC. A actividade partidária desenvolvida entre a 6.ª e a 7a Reunião Plenária, no sentido de aplicar e aprofundar a táctica e a revolucionarização do Partida, não só veio confirmar a justeza da direcção política imprimida pelo Comité Central, como chamou a atenção para quatro importantes princípios, orientadores da nossa missão de vanguarda proletária e revolucionária.
Primeiro: é necessário apresentar sempre uma alternativa revolucionária às massas e não deixar em nenhum momento campo livre ao inimigo e aos seus agentes.
Segundo: é necessário levar às mais amplas massas a alternativa revolucionária traçada.
Terceiro: é necessário revolucionarizar permanentemente toda a actividade partidária.

1976-09-30 - POR UM CONGRESSO DE TODOS OS SINDICATOS E DE TODOS OS TRABALHADORES! - GDUP

FOLHA GDUP CP/LISBOA   
Nº 3
30-9-76

POR UM CONGRESSO DE TODOS OS SINDICATOS E DE TODOS OS TRABALHADORES!

Companheiros Ferroviários,
É do conhecimento de todos o projecto de Regulamento do Congresso dos Sindicatos, onde se apresentam as diversas alternativas para a realização do Congresso. Contudo os GDUPs da CP/Lisboa acharam importante clarificar as diversas alternativas ali expostas como ajuda para a discussão por todos nós.
Vejamos então:
1º A primeira grande alternativa que se põe naquele Regulamento é a da Composição do Congresso. Quais os Sindicatos que devem estar presentes. O problema que aqui se levanta é o dos Sindicatos paralelos que não deverão estar representados, isto compete à Comissão Nacional Organizadora do Congresso, ou em caso de não se conseguir chegar a abordo, a uma Reunião Geral de Sindicatos para decisão final, tal como preconizam os projectos da CNOPC, Sindicatos dos Têxteis e Rodoviários de Setúbal (artº lº).

1976-09-30 - PROPOSTAS DE LUTA IMEDIATAS - Sindicatos

SINDICATO DOS PROFESSORES da Grande Lisboa

Circular 1/058/76
PROPOSTAS DE LUTA IMEDIATAS

CAPITULO -I-
INFORMAÇÃO E DINAMIZAÇÃO AO NÍVEL DAS ESCOLAS
A) – Concentração nas escolas
1. Os Grupos de apoio aos Delegados Sindicais, formados de acordo com a decisão do último plenário de professores, deverão entretanto, e por todas as formas ao seu alcance, (telefonemas, cartazes, circulares, contactos pessoais, etc…) alertar os professores, os encarregados de educação e a restante população escolar para a gravidade da actual situação, convidando-os a concentrarem-se na escola para uma nova fase de trabalho (destinada a activar o início do ano lectivo e a programá-la).
2. Desencadear um processo de luta a partir de Outubro com a concentração dos professores nas suas escolas e a convocação dos encarregados de educação e alunos a partir das 17h 30m para que em conjunto discutam as consequências da aplicação do decreto 672/76 e a forma de iniciar o mais depressa possível os trabalhos escolares.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

1976-09-29 - O Comunista Nº 23 - II Série - UCRP(ml)

POR UM CANDIDATURA OPERARIA E CAMPONESA PARA AS AUTARQUIAS
COMUNICADO DA 9.° REUNIÃO PLENÁRIA DO COMITÉ CENTRAL

Realizou-se a 9.a reunião plenária do CC da UCRP(m-l), que abordou os diversos assuntos de actualidade que se colocam na luta pela unificação dos comunistas e a reconstituição do Partido Comunista Português e no terreno da luta política de classe.
Realizando-se num momento em que todo o Movimento Comunista Internacional sente com profundo pesar a morte de um dos seus dirigentes, o Comité Central em reunião plenária prestou a sua homenagem ao camarada Presidente Mao Tsé-tung. Guardando três minutos de silêncio em sua honra, o Comité Central ressaltou as virtudes do grande mestre do proletariado, e o nosso dever militante de nos mantermos fiéis ao seu pensamento e inspirados no exemplo da sua acção revolucionária.
A reunião plenária do CC da UCRP(m-l) realizou-se numa altura, em que comemoramos o primeiro aniversário de constituição da nossa organização, que foi um primeiro marco, na aplicação da linha de classes da UCRP(m-l) para a unificação dos comunistas portugueses.