sábado, 21 de julho de 2018

1973-07-00 - RECUSA-TE A COLABORAR NOS CRIMES COLONIALISTAS - IRFA


Folheto da IRFA
RECUSA-TE A COLABORAR NOS CRIMES COLONIALISTAS

Os relatos que se seguem são um pálido retrato dos horrores cometidos por sanguinários sem escrúpulos (os “heróis” condecorados pelo fascismo!).
- Na tabanca de PLACO, na região de Bula (Guiné), tropas comandadas pe­lo criminoso oficial Bartolomeu Alves Velho, mataram os homens, queimaram as mulheres e crianças, violaram e assassinaram depois as moças.
- Em Fev/70, aviões bombardearam as aldeias de IADOR e TAMBICO, matando 15 crianças e ferindo 23.

- Em ABRIL/72, nas regiões libertadas do sul da Guiné, bombardeamentos destruíram escolas, 3 hospitais e uma dezena de aldeias com napalm.
- “A polícia interroga os africanos suspeitos de ajudar o MPLA, dependurando-os de cabeça para baixo. Depois abre-lhes o ventre à navalha, deita-lhes álcool nas entranhas e incendeia-os..." (Padre Waldo Garcia).
- Numa região do oeste de Angola apareceram 5 aviões: 2 sobrevoaram à procura de sinais de vida lançando bombas incendiárias sobre as cubatas. Os outros 3 pulverizam os campos com produtos venenosos. No dia seguinte podiam ver-se as culturas queimadas numa vasta área. Muitos habitantes, sobretudo velhos e crianças, morreram intoxicados e centenas de pessoas ameaçadas de morrer de fome. (depoimento de um médico do MPLA).
- “Várias mulheres foram obrigadas a por bebés dentro de recipientes de madeira onde se mói o milho. Quando se recusaram a dar informações (...), as tropas tinham ordens para esmagar as crianças com os pi­lões. "(jornal "The Start's Africa news Service", 3/11/71).
"3 2 9/9/71 :tropa rodesiana vem em auxílio dos portugueses e leva a efeito um massacre de 18 pessoas, bebés, grávidas, adolescentes de 12 a 14 anos que foram queimados depois de mortos."
- 7/5/71: 14 camponeses do Kapinga e Catacha são mortos.
- 30/7/71: A tropa mata em Cambowe 8 pessoas... Não se fez qualquer pergunta às vítimas, disparou-se.
- 23/10/7I: Os soldados abatem a tiro 3 trabalhadores da "Ermoque" da empreitada da estrada Tete-Songo).
- 4/11/71: Os comandos queimam vivas 16 pessoas, das quais 9 crianças, na povoação do António (Mucumbura).
- 15/12/71: A tropa mata em Chiradzi, Nyamphunga Chaloka, como represália, pois o marido tinha fugido da Estima, onde estava preso.
- 18/3/72: A tropa abate a tiro na povoação de António 2 homens que estavam a abrir o curral dos seus bois.
- 20/3/72: A DGS do Mucumbura tortura tanto Macaza (68 anos de idade) que este acaba por morrer.
Nenhuma das vítimas pertencia à FRELIMO. Pelo que sei a tropa matou 2 guerrilheiros: 1 em Mucumbura e outro em Inhscamba (Marrara)."


(Extractos do testemunho pessoal do P. Luís Afonso da Costa).


Sem comentários:

Enviar um comentário