domingo, 22 de julho de 2018

1973-07-00 - AVANTE! POR UMA GRANDE CAMPANHA POLÍTICA DE MASSAS! - PCP


Ao povo português

AVANTE!
POR UMA GRANDE CAMPANHA POLÍTICA DE MASSAS!

Aproxima-se uma grande batalha política. O fascismo prepara nova mascarada «eleitoral». O movimento popular e democrático prepara-se para lhe dar combate e passar decididamente à ofensiva. O Partido Comunista Português aponta aos trabalhadores e ao povo português a perspectiva de uma grande campanha política de massas.

Uma torrente única de combate!
O regime fascista não consegue superar as dificuldades e contradições em que se debate. Agrava-se a situação económica; aprofundam-se os conflitos de interesses e divergências no campo fascista; cresce o isolamento interno e internacional; amadurecem as condições que porão na ordem do dia o fim da guerra colonial e a solução política do problema. Enfraquecido pela própria crise, o regime intensifica a repressão, mas é forçado a ceder e a procurar soluções de compromisso. Reduz-se a sua capacidade para fazer frente ao descontentamento e à luta do povo português.
A luta popular desenvolve-se em múltiplas frentes num novo ascenso irregular, mas seguro. Está em marcha um dinâmico movimento popular contra a guerra colonial. Avança rapidamente o movimento democrático. Os trabalhadores alargam a luta reivindicativa é recorrem com mais frequência a greves e paralisações. O movimento sindical resiste à repressão e alcança novos sucessos. A juventude trabalhadora intervém nas várias frentes de combate e multiplica as suas próprias iniciativas. Os estudantes travam grandes lutas. O movimento das mulheres dá passos em frente. Acentuam-se as manifestações de descontentamento nas forças armadas. Registam-se novas acções de camponeses, intelectuais, comerciantes e das populações.
À viragem operada na situação internacional no sentido do desanuviamento e da coexistência pacífica, os progressos da segurança europeia, beneficiam fortemente a luta do povo português e acentuam o isolamento externo do fascismo e do colonialismo.
Há uma conjuntura favorável e estão criadas as condições para que se desenvolva a luta de massas por objectivos concretos em todas as frentes, para que se acelere a sua convergência numa torrente única de combate.

Uma batalha pela legalidade!
O fascismo proibiu e declarou ilegais as Comissões de Recenseamento, falsifica e faz grandes cortes nos cadernos eleitorais, reprime reuniões, prende e tortura democratas, manobra para dividir a Oposição, anuncia o propósito de exclusão de candidaturas, ameaça, procura intimidar.
Apesar disto, o movimento democrático cresce num processo rápido. Fez uma campanha de recenseamento com ampla repercussão popular. Realizou o Congresso de Aveiro, nova afirmação do seu dinamismo, influência e força nacional. Efectua grandes assembleias e plenários. Reforça a sua base popular. Prepara-se para intervir nas «eleições» fascistas apresentando candidatos.
É possível nestas condições realizar uma grande campanha política de massas com os objectivos fundamentais do movimento democrático, já anunciados:
— a luta pelas liberdades democráticas;
— a luta contra a repressão e pela amnistia;
— a luta pelo fim da guerra, colonial;
— a luta por aumento de salários, contra a carestia de vida e o peso dos impostos;
— a luta contra o domínio dos monopólios e contra a submissão ao imperialismo.
O sucesso desta campanha exige que, organizando, se imponha, amplie, reforce o movimento; agindo, se consolide e alargue a unidade, dando combate a todos que procurem mina-la.
Chamando os trabalhadores e as massas populares à acção decidida em torno, destes, objectivos, o Partido Comunista Português aponta-lhes como grandes alvos a atingir:
- o reforço de posições para o prosseguimento da luta;
- uma actividade legal permanente das estruturas democráticas.
OPERÁRIOS! TRABALHADORES! Camponeses! Militares! Intelectuais! Jovens! Mulheres! DEMOCRATAS!
Há que reclamar desde agora:
- liberdade de organização do movimento democrático;
- cessação de todas as medidas repressivas contra dirigentes, activistas e as massas populares;
- liberdade de reunião e propaganda;
- utilização dos meios de informação de massa, lugares públicos e edifícios do Estado, municípios e colectividades;
- revisão dos cadernos eleitorais, fornecimento de cópias, garantia do direito de reclamação, intervenção de delegados da Oposição em todas, as fases do processo «eleitoral».
Há que impor ao fascismo através de uma ampla e vigorosa movimentação de massas
- a realização, livre de reuniões de trabalho e assembleias, de propaganda;
- a abertura de sedes e postos;
- a edição e distribuição de documentos;
- a aceitação das candidaturas da Oposição democrática;
- o direito de manifestação.
O fascismo prepara-se para, manietar a actividade democrática, jugular a acção das massas, levar a cabo uma nova farsa eleitoral. O movimento democrático e popular tem força e influência bastantes, para fazer frente aos propósitos do fascismo e conduzir uma grande campanha de massas com a intervenção política activa de centenas de milhares de portugueses.
POR MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA! PELO FIM DA GUERRA COLONIAL! PELA LIBERDADE! – AVANTE!

Julho de 1973
O Comité Central do Partido Comunista Português




Sem comentários:

Enviar um comentário