sábado, 23 de junho de 2018

1978-06-23 - O PC(m-l)P FACE À SITUAÇÃO POLÍTICA - PC(ml)P



PARTIDO COMUNISTA (marxista-leninista) PORTUGUÊS

Comunicado de Imprensa
O PC(m-l)P FACE À SITUAÇÃO POLÍTICA

   1. Realizou-se recentemente a III reunião plenária do VI Comité Central do Partido Comunista (marxista-leninista) Português. A reunião examinou a situação política actual, a política do Governo PS/CDS as actividades e a táctica prosseguida pelas forças da burguesia e do imperialismo internacional. O Comité Central traçou uma táctica política adequada ao momento e objectivos claros a curto e médio prazo no quadro da conclusão do VI Congresso do Partido Comunista e da posterior edificação de um Partido de vanguarda, à escala nacional e de cunho de massas.

   2. Realizando um balanço à actividade do Governo PS/CDS, o PC(m-l)P concluiu que a sua gestão não abre possibilidades de resolver a crise económica e sanar os conflitos políticos no seio das classes dominantes. Por outro lado, tem sido uma política abertamente anti-popular, vindo agravar o aumento do custo de vida, o desemprego e tomar medidas de fascização, de que é um exemplo a actuação da PSP nos acontecimentos de 10 de Junho. O futuro será marcado pelo agravar da crise económica e a estabilidade política actual, dure mais ou menos tempo, é temporária.
As forças extremistas da burguesia - o social-fascismo e o fascismo - apesar de não estarem no momento actual em condições de desencadearem a ofensiva - jogam no agravar da crise económica e na falência da política governamental, pelo que o C.C. concluiu que a principal tendência de evolução, a prazo, continua a ser para o rompimento dos compromissos, para o ataque dos sectores extremistas e, eventualmente, para a guerra civil reaccionária.
4. Nesta situação, o PC(m-l)P apontou como orientação política funda mental:
- Prosseguir a organização da luta dos trabalhadores contra a po­lítica reacionária do Governo PS/CDS e dos Governos Regionais PSD.
- Concentrar os golpes nas actividades antidemocráticas do social-fascismo e do fascismo tradicional e desenvolver a luta contra o separatismo.
- Desenvolver a luta de massas, subordinada a perspectiva de construir uma corrente de classe independente da direcção política dos partidos burgueses e da direcção sindical do Secretariado da CGTP. Na medida em que não estão reunidas, ainda, condições para uma jornada de luta nacional subordinada a esta orientação,
O PC(m-l)P pronuncia-se pela intensificação de iniciativas locais, sectoriais e regionais, a exemplo das jornadas de luta da Madeira, organizadas pela USAM.
- O CC concluiu existirem circunstâncias favoráveis para separar os trabalhadores da direcção social-fascista e para dividir o partido pró-soviético de Álvaro Cunhal de partidos e forças políticas que regra-geral tem instrumentalizado, apelando à unidade na base e na acção com os activistas e forças políticas em campanhas e acções de massas em que seja possível um acordo clara mente demarcado da política revisionista, a semelhança do que recentemente aconteceu com a campanha de apoio ao povo argentino.
O PC(m-l)P aponta, ainda, a importância do trabalho Junto dos trabalhadores e da juventude descontentes com a social-democracia devido à política do Governo PS/CDS, no sentido de os ganhar a acções unitárias anti-capitalistas, em defesa das liberdades e da independência nacional.
O PC(m-l)P indica, por fim, a importância da luta ideológica contra o "esquerdismo", aproveitando a sua progressiva falência no movimento operário e popular, no sentido de ganhar os trabalhadores por ele até aqui influenciados, anti-capitalistas e anti-revisionistas sinceros, a uma política revolucionária, através de propostas concretas de unidade na base e na acção, em defesa das reivindicações populares.

Lisboa, 23 de Junho de 1978
Comissão de Imprensa do Comité Central do PC(m-l)P



Sem comentários:

Enviar um comentário