quarta-feira, 6 de junho de 2018

1978-06-06 - CONTRA AS NOVAS POLÍCIAS POLÍTICAS - PCTP/MRPP


CONTRA AS NOVAS POLÍCIAS POLÍTICAS
CERRAR FILEIRAS EM TORNO DO LUTA POPULAR

TODOS AO TRIBUNAL DA DOA HORA 2ª Feira, dia 6, as 9H 45 ÚLTIMA SESSÃO DO JULGAMENTO DO LUTA POPULAR

Vai ser pronunciada na próxima segunda-feira, dia 6 de Junho, pelas 9:45 horas, no tribunal da Boa-Hora em Lisboa, a sentença referente ao processo que a Policia Judiciária Militar, e os novos Tinocos, moveram contra o jornal da verdade, contra o jornal do proletariado, contra o LUTA POPULAR.
Uma sentença que ultrapassa o próprio âmbito do nosso jornal, enquadrando-se na questão, mais vasta que é a de se saber se doravante a liberdade de expressão, mesmo burguesa, continua a ser uma realidade ou um mito.

A questão que se põe, disse o director do jornal dirigindo-se ao tribunal e referindo-se às implicações da sentença, é de se saber se damos livre pulso à censura militar e cobertura à reorganização de polícias políticas que recomeçam a proceder como nos tempos da antiga PIDE/DGS, ou se pelo contrário nos opomos a isso. Não se trata, continuou, sequer do problema especificamente ligado com a posição política do Partido, cujo jornal dirijo, mas de uma questão que se prende ao conjunto dos interesses das forças democráticas deste país.
A classe operária, o povo e todas as forças democráticas devem pois acorrer ao tribunal da Boa-Hora e exigir uma sentença de acordo com os seus interesses, uma sentença justa, uma sentença de acordo com a verdade dos factos; a absolvição. Factos cabalmente provados e que demonstraram à saciedade a existência de novos Tinocos, a reedição dos velhos métodos e provocações pidescas, factos que o LUTA POPULAR mais uma vez denunciou e provou da sua existência. Só a absolvição consubstancia os interesses da classe operária, do povo e dos democratas, é a absolvição que exigiremos na segunda-feira.
O resultado do julgamento do LUTA POPULAR, já o dissemos, é o fruto duma dura batalha de classe, entre nós e o inimigo. Uma batalha, que tem de ser travada em todos os momentos, inclusive na próxima segunda-feira.
Este facto, e as implicações da sentença, não dispensam a presença e o apoio de um único homem ou mulher, nem dispensam o apoio de um único democrata. Ninguém está dispensado de travar esta batalha. Uma batalha contra a constituição de novas polícias políticas iguais à PIDE/DGS; uma batalha pela defesa da liberdade de expressão das forças democráticas e populares.

TODOS AO TRIBUNAL DA DOA HORA 2ª Feira, dia 6, as 9H 45
ÚLTIMA SESSÃO DO JULGAMENTO DO LUTA POPULAR

A redacção do LUTA POPULAR



Sem comentários:

Enviar um comentário