sexta-feira, 1 de junho de 2018

1978-06-01 - O Povo de Guimarães Nº 014

Para ver todo o documento clik AQUI 
Anomalias na Cidade...


Texto de Pedro Vimaranes. Fotos de Francisco M. Fernandes

As cidades, observadas sob certos aspectos, dão definição de si próprias. Queremos dizer que o seu estagnamento ou progresso mostram-se através da maneira como agem em certas circunstâncias. Não se compreende como desatendem a pormenores essenciais, agitando bandeiras, simultaneamente, pelas suas grandes aspirações. E, pensando bem, está muitas vezes na pequena anomalia o grão de areia que emperra a máquina que leva ao avanço avantajado. Isto ocorre, em Guimarães, ainda. Apesar de sermos um agregado populacional voltado para a renovação de processos, denunciamos às vezes, também, estigmas negativistas. Basta, para demonstração disso, percorrermos a urbe atentamente, na companhia dos leitores, convidados, assim, para o efeito. Usamos, então, mais as imagens que as palavras. Ora, reparem:

1 - O PORTÃO DA CASA DO PROPOSTO. Aqui está anomalia que tem anos sem conta. Numa entrada da cidade que promete uma perspectiva urbana deveras atraente, o afunilamento, ali verificado, da importante via de trânsito carece já de justificação. Perde, com isso, a cidade em si, mas também os proprietários dos terrenos afins, uma vez que continuam impedidos de os enriquecer com os prédios de grande porte que, neles, se admitem.
2 - TERRENO NA AVENIDA CONDE DE MARGARIDE. Bem perto da anomalia referenciada, precisamente a meio da artéria capaz que é a avenida em referência, que está totalmente urbanizada, existe amplo terreno de construção sem aproveitamento, também com prejuízo injustificado do seu proprietário e, necessariamente do embelezamento apropriado do local. Para mais há lei que obriga aquele a utilizá-lo...
3 - PRÉDIO ARRUINADO NA RUA FRANCISCO AGRA. Mesmo em frente da típica Capela de Santa Luzia, existe um prédio que faz gaveto para a Travessa dos Bimbais, em que a empena já localizada nesta artéria se desmoronou por ruína prevista. Nele, não habita ninguém para além da loca­tária dum estabelecimento de hortaliças e frutas, que não tem, por si ainda, condições de salubridade suficientes. É evidente, assim, a deterioração de um imóvel com defensáveis características na arquitectura tradicional vimaranense. Há que referir que o proprietário quer recuperá-lo...
4 - PRÉDIO DESTELHADO DA SENHORA DA GUIA. Também, precisamente em frente do Museu Alberto Sampaio, num prédio cujo restauro merece cuidados pela sua localização e traça, ruíram beirais e parte dos telhados, deteriorações que as acções do tempo denunciaram. Pois desta maneira contínua com perigo para transeuntes e dos aspectos envolventes à sua localização.

E, por agora aqui nos quedamos, com a promessa de voltarmos a denúncias lógicas desta espécie, em tempo breve...





Sem comentários:

Enviar um comentário