terça-feira, 5 de junho de 2018

1973-06-05 - SAUDAÇÃO AOS ESTUDANTES DO TÉCNICO - Movimento Estudantil


SAUDAÇÃO AOS ESTUDANTES DO TÉCNICO


COMPANHEIROS:

Perante a escalada repressiva que se tem abatido sobre os estudantes de Lisboa e as suas associações, de que se destaca o tiroteio na cantina Universitária que provocou vários feridos, e pôs um estudante às portas da morte e a tentativa de imposição dos Gorilas na Faculdade de Letras e a prisão de números estudantes, vós soubestes, conjuntamente com os outros companheiros de Lisboa, através de acções massivas (grandes R.G.A., Greves, manifestações de rua com ampla distribuição de comunicados à população) e com o apoio dos professores progressivos e de todos os estudantes, impor importantes recuos ao Governo, como sejam a suspensão dos gorilas da Faculdade do Letras e a libertação de muitos estudantes.


Frente à firmeza e determinação por vós demonstrada de prosseguir a luta, através da greve às aulas até à libertação dos dois colegas presos, falharam todas as manobras do Director (encerramentos sucessivos do Instituto e da Associação e da carta aos alunos em que ameaçava encerrar o semestre). Com a anulação do 2º semestre o Conselho Escolar adopta uma medida altamente lesiva dos interesses dos estudantes. Na nota que tornou publica esta sua decisão, procurava-a justificar invocando “razões de natureza pedagógica” e de “prestígio” escamoteando o objectivo da luta dos estudantes do Técnico pela libertação dos colegas presos. Aliás, a proibição das reuniões do Corpo Docente, em que, este se propunha analisar e tomar posição face à situação criada, mostra claramente que o Director não está interessado em solucionar a situação pedagógica, de inteira responsabilidade do Governo, mas sim para desmobilizar os estudantes e assim mais facilmente poder desmantelar as estruturas do movimento associativo e encerrar a sua associação.

Esta medida repressiva é a continuação lógica de todas as medidas repressivas e demagógicas e é mais um degrau da escalada repressiva que o Governo insistentemente prossegue na Universidade, de aniquilação sistemática de toda a expressão organizada dos estudantes, particularmente o encerramento de Associações de Estudantes.

COMPANHEIROS;

As lutas de Maio e Junho do ano passado pela reabertura da vossa Associação e todas as lutas travadas ao longo deste ano pelos estudantes portugueses, nas quais vós tendes desempenhado um papel de vanguarda, e dado um magnífico exemplo de firmeza, fazem-nos crer que mais uma vez o Governo será obrigado a recuar e os vossos objectivos serão conseguidos.

Assim como nas recentes lutas, os estudantes de Lisboa tiveram a solidariedade de todos os estudantes portugueses, concretamente com as greves na Faculdade de Engenharia e no Liceu D. Manuel II do Porto, as distribuições de comunicados à população, as reuniões nas escolas e as sessões informativas, também agora estamos certos, porque a vossa luta é a luta dos Estudantes Portugueses que estes não deixarão do vos apoiar e aproveitamos para vos manifestar a nossa inteira solidariedade à vossa corajosa luta.


Pela Libertação dos Estudantes Presos.

Pela Reabertura da Associação e do Instituto.

Pela revogação da decisão do Conselho escolar.

Viva a unidade na luta dos estudantes portugueses.


COIMBRA, 5/6/73         


Direcção da Associação de Engenharia, Letras, Liceus, Ciências - PORTO
Executivo da C.P.R.A.A.C.



Sem comentários:

Enviar um comentário