segunda-feira, 11 de junho de 2018

1973-06-00 - FORMAÇÃO DO C.L.A.C. “DOMINGOS RAMOS” - MPAC-CLAC's


FORMAÇÃO DO C.L.A.C. “DOMINGOS RAMOS”

- que cem CLAC’S floresçam na luta -

A resistência do povo português contra a guerra colonial, cada dia que passa, desenvolve-se e reforça-se na luta no seio da metrópole colonialista.
Este combate anti-colonialista e anti-imperialista do povo português, dirigido pelo Movimento Popular Anti-Colonial (MPAC) está a atingir enormes proporções e faz tremer o governo colonialista português, e não é por acaso, que o Caetano fala duma 4ª frente de combate.
As últimas manifestações dos dias 9 e 21 de Fevereiro de 73 demonstram a vontade de ferro do povo português de lutar contra esta guerra assassina. Este combate é a verdadeira aplicação dos princípios do internacionalismo proletário, é a maior ajuda à luta dos povos de Angola, Guiné e Cabo-Verde e Moçambique pela sua libertação económica, cultural e politica.

O povo português ao mesmo tempo que luta pela sua própria libertação do jugo da opressão, e exploração, luta também pela libertação dos povos de Angola, Guiné e Cabo-Verde e Moçambique.
Desde a formação dos Comités de Luta Anti-Colonial (CLACs) e da Resistência Popular Anti-Colonial (dos soldados e marinheiros revolucionários - RPAC) que o movimento se enraíza cada vez mais no seio das massas populares em Portugal, lutando de uma forma concreta contra esta guerra de rapina, feita pelos colonialistas portugueses e o imperialismo mundial.
O MPAC que em Portugal cada vez mais se alarga pelo país saiu deste e em França (país aonde existe perto de um milhão de portugueses) os trabalhadores portugueses lutam também contra o colonialismo e o imperialismo.
A França é uma das potências imperialistas que têm bastantes interesses económicos nas colónias portuguesas e é a que mais ajuda o governo colonialista de Caetano na guerra colonial assassina (apoio militar - fornecimento de armas, aviões, etc... apoio económico, diplomático, politico, assinatura de acordos com o governo fascista sobre a emigração numa manobra afim de parar com a deserção).
Para fazer um verdadeiro trabalho anti-colonialista e anti-imperialista em França, devemo-nos integrar na luta de classes em França, lutando no seio das massas populares emigradas e francesas contra a exploração, opressão e contra os colonial-imperialistas franceses.
É no prolongamento desta luta que mais um CLAC nasce em França – o CLAC DOMINGOS RAMOS.
Domingos Ramos foi um heróico combatente do exército popular da Guiné e Cabo-Verde. Morto em combate contra as tropas colonialistas portuguesas em Novembro de 66, Domingos Ramos é um exemplo fiel da vontade dum povo de se libertar do colonialismo, da opressão e da exploração.
Que o exemplo deste heróico combatente guineense seja o guia do nosso combate anti-colonial e anti-imperialista afim de dar golpes cada vez mais duros no colonialismo português e no imperialismo mundial.

VIVA A JUSTA LUTA DOS POVOS DE ANGOLA, GUINE e CABO-VERDE, MOÇAMBIQUE E DE PORTUGAL CONTRA A GUERRA COLONIAL-IMPERIALISTA.
A GUERRA DO POVO É INVENCÍVEL.
QUE CEM CLACs FLORESÇAM NA LUTA.
VIVA O MOVIMENTO POPULAR ANTI-COLONIAL (MPAC).

Comité de Luta Anti-Colonial
CLAC DOMINGOS RAMOS



Sem comentários:

Enviar um comentário