terça-feira, 15 de maio de 2018

1978-05-15 - UDP INFORMAÇÃO Nº 9 - UDP


UDP INFORMAÇÃO
Nº 9 / 15 DE MAIO DE 1978

AO REGRESSO DE TOMAS!

COMUNICADO DO CONSELHO NACIONAL
O convite feito pelo Presidente da República a Américo Tomás para regressar a Portugal causa a mais viva indignação e a mais sentida revolta a todos os democratas e antifascistas, a todos os portugueses que em 25 de Abril vitoriaram a derrota da ditadura.
O comunicado da Presidência da República, afirmando não existir matéria incriminatória contra Américo Tomás corresponde a uma autêntica tentativa de absolvição do fascismo. Dizer que o chefe de Estado de 16 anos de fascismo não cometeu nenhum crime é afinal sancionar 13 anos de criminosa guerra colonial, e afinal sancionar a escandalosa corrupção do fascismo, é afinal sancionar dezenas de assassinatos e milhares de torturas.

O comunicado da Presidência da República é uma verdadeira afronta ao 25 de Abril. As razões humanitárias cinicamente apontadas constituem uma descarada mentira e um insulto às mães que viram os seus filhos morrer na guerra, às famílias que se viram destroçadas pelas torturas e assassinatos, aos trabalhadores que sofreram a mais negra exploração e opressão fascistas.
O convite ao regresso de Américo Tomás vem encorajar a arrogante escalada da direita. O PPD e o CDS aplaudem confirmando o seu real apoio às figuras do 24 de Abril e a tudo o que elas representam. Freitas do Amaral, discípulo de Marcelo, não poderia deixar de manifestar o seu apoio. A pouco tempo da sua viagem ao Brasil a atitude do Presidente da República é um descarado gesto de boa vontade em relação ao fascismo internacional que mais uma vez confirma a política de abertura à direita de Ramalho Eanes.
Os trabalhadores portugueses, que diariamente sofrem na carne os efeitos da escalada da direita, sabem que com a tentativa de regresso de Tomás a reacção pretende dar mais um passo na sua ofensiva contra o 25 de Abril. Por isso os trabalhadores e o povo português ir-se-ão levantar nas empresas, herdades e escolas tomando uma posição firme que mostre a sua disposição e impedir o regresso de Américo Tomás.
Os democratas e antifascistas, todos os que lutam por defender as liberdades conquistadas a 25 de Abril, os órgãos representativos dos trabalhadores, os sindicatos e a Central Sindical Única, todos os partidos e organizações democráticas tomarão uma posição firme, unindo os seus esforços em acções concretas, exigindo que não regresse a Portugal o Presidente da República de Salazar e Caetano.

Lisboa, 13 de Maio de 1978
O Conselho Nacional da UDP

UDP - O PARTIDO QUE NÃO CALA A VERDADE

O FASCISTA TOMÁS NÃO PODE REGRESSAR!

MOBILIZAÇÃO POPULAR CONTRA O REGRESSO DO PRESIDENTE DO FASCISMO
• MOVIMENTO DE PROTESTO E ACÇÕES DE MASSAS
Contra a decisão de Eanes de permitir o regresso de Tomás, verdadeira absolvição do fascismo, impõe-se um amplo movimento de protesto e de acções de massas, de âmbito local, regional e nacional.
Os activistas da UDP apoiarão e dinamizarão vigorosamente todos os movimentos e acções com o fim de impedir o regresso do presidente do fascismo.
• UNIDADE DOS DEMO­CRATAS
Perante a afronta que representa o comunicado do Presidente da República para todos os democratas e antifascistas, estes devem avançar para a formação da mais ampla unidade no protesto e na luta contra a decisão inqualificável de deixar regressar impunemente ao país, o principal responsável vivo do fascismo e da guerra colonial.
• TRABALHADORES E POVO CONTRA O REGRESSO DE TOMAS
Os trabalhadores e o povo portu­guês foram as maiores vítimas do fascismo.
É por isso que moções de protesto e acções de massas se estão a levantar nos locais de trabalho e habitação, nos órgãos de trabalhadores e nos sindicatos.
Esse movimento deve ampliar-se, estender-se por todo o país. Os activistas da UDP, incluindo os dez mil novos aderentes, estarão na primeira linha desta onda de protesto e resistência. Tomás não pode voltar!

TOMÁS NÃO É UM INOCENTE
  •  Tomás é responsável pelas perseguições, pelo exílio, pela deportação, pela prisão, pela tortura, pelo assassinato de milhares e milhares de democratas e patriotas.
  •  Tomás é responsável pelos crimes da PIDE, pelo Tribunal Plenário, pela Legião, pelo Tarrafal, por Caxias, por Peniche.
  •  Tomás é responsável por urna censura brutal que não permitia a liberdade de expressão. É também responsável pela proibição das pessoas se reunirem livremente, se associarem e formarem partidos políticos.
  •  Tomás é responsável de um regime de corrupção. Foi ele o autor, quando ministro da Marinha do célebre decreto 100 que fez a sua própria fortuna e a do seu amigo Tenreiro.
  •  Tomás é responsável da burla eleitoral que o levou à presidência, quando o general Humberto Delgado reunia o consenso quase unânime do povo português.
  •  Tomás é responsável pela guerra colonial, guerra de opressão aos povos das colónias onde verteu o sangue de milhares de jovens portugueses e africanos.
  •  Tomás é, juntamente com Salazar e Caetano, o principal responsável pelo regime de crime, arbítrio, repressão e infelicidade que se abateu sobre o povo português durante 48 anos. Ele não é um inocente e como tal não pode ser ilibado. Tomás é um dos principais responsáveis do fascismo e como tal deve ser tratado.

UDP: PRIMEIRA VOZ CONTRA O REGRESSO DE TOMÁS!
Na sessão da manhã de sexta-feira da AR, o camarada Acácio Barreiros proferiu um discurso de enérgico protesto contra a decisão do Presidente da República. No final, o deputado da UDP foi calorosamente aplaudido, de pé, pelos deputados do PS, perante o silêncio das bancadas do PCP e PSD e o protesto indignado de alguns deputados do CDS.
Referindo-se à afirmação de Eanes de que não há matéria discriminatória contra Tomás, afirmou o deputado revolucionário da UDP:
"O que é verdadeiramente grave é que, se no entender da Presidência da República não existe legislação para condenar um alto responsável do fascismo, a sua obrigação era apelar para esta Assembleia e para o CR para que tal legislação fosse criada, e não aproveitar as inexistentes deficiências da lei para livrar um fascista da Justiça Democrática".
Mais à frente, acrescentou:
"...temos o direito de exigir serena, mas firmemente, que se faça justiça. Essa exigência resulta da própria razão de ser da Democracia e dos compromissos que em cada hora de resistência assumimos. Compromissos (...) perante camaradas que entretanto foram assassinados, mas que nos passaram, a todos nós, o seu heróico testemunho de liberdade, confiantes que um dia os seus carrascos responderiam diante da Justiça Democrática".
"Nós não podemos esquecer que esses carrascos eram, em geral, apenas os executores dos crimes do fascismo. Mas os maiores responsáveis, aqueles que têm as mãos mais sujas com o sangue da Resistência, esses, eram os dirigentes, os organizadores, os mentores da ditadura."
Noutro passo, o camarada Acácio Barreiros lançou um apelo a todos os democratas, declarando:
"É altura de dizer não. É altura de levantar a solidariedade cimentada em tantas horas de luta e erguer um enérgico protesto de resistência." E terminou:
"Nós exigimos o julgamento dos fascistas. O FASCISMO NÃO PASSARÁ!


UDP: PRIMEIRA VOZ CONTRA O REGRESSO DE TOMÁS!
UDP - O PARTIDO QUE NÃO CALA A VERDADE
JÁ ULTRAPASSAMOS OS 10 MIL!

Dia 7 de Maio foram ultrapassados os 10 000 novos aderentes. Atingida a meta nacional a campanha não pára. Todos os distritos têm de ultrapassar as suas próprias metas!

O CAMARADA CARLOS FÉLIX TROUXE 28 NOVOS ADERENTES PARA A UDP
O camarada Carlos Mendes Félix, operário da construção civil e membro da Comissão Distrital da UDP da zona de Vila Franca-Loures, diz-nos alguma coisa da sua experiência na empresa em que trabalha, a "Francisco da Costa Marques", e no seu bairro, o Prior Velho:
"Há cada vez mais camaradas a quererem aderir à UDP. No Prior Velho houve alguns ex-militantes do PS que vieram para a UDP. Eles estão descontentes com a política de direita do dr. Soares, com esta política que nos faz a vida mais difícil, que faz aumentar os preços todos os dias. Também têm aderido à UDP alguns camaradas desiludidos com a política do PCP. Estes camaradas estão a aderir à UDP porque vêem em nós elementos válidos, que fazemos trabalho para a população, que tentamos resolver os problemas das pessoas. Eles também estão a ver que as posições antifascistas da UDP são justas, estão cada vez mais de acordo com as posições do camarada Acácio Barreiros na Assembleia, com as posições que a UDP toma no seu bairro e na sua empresa.
Por outro lado, nos não nos temos limitado a colar cartazes da campanha dos 10 000 novos aderentes nas paredes. Temos ido falar com as pessoas temos ido bater porta a porta para discutir as linhas da UDP e explicar o que a UDP propõe ao povo.
Os novos camaradas que aderiram à UDP também já estão activos. Há mesmo um grupo de camaradas mais novos que já têm uma sala na sede do Prior Velho onde estão a preparar uma peça de teatro."

VAI ACONTECER
Norte do país: Realizam-se sessões da UDP em Paços Ferreira, sexta-feira, dia 19 Maio; Marco Canaveses, 20 Maio; Rebordosa, 20 Maio; Amarante, 21 Maio; Felgueiras, 24 Maio; Lousada, 25 Maio.
Vila Conde - dia 21 de Maio da parte da manhã sessão de esclarecimento e uma confraternização com "piquenique", também com a presença do camarada Acácio Barreiros.
Aveiro - dia 20 de Maio à tarde, Comício-Festa com a presença do camarada Acácio Barreiros.
Mafra - Comício na Casa do Povo, dia 20 de Maio, 21 horas.
Torres Vedras - Comício com a presença do camarada Acácio Barrei­ros, dia 23 de Maio.
Silves - dia 25 de Maio, Eleição Concelhia; dia 21 de Maio, marcha bicicletas.
Portimão - dia 25 de Maio - manhã desportiva, intervenção política, parte cultural.
Reuniões na Sede Nacional da UDP - Rua Bernardo Lima, 64:
- Técnicos de Desenho da Zona Sul - terça-feira, dia 16 de Maio, 21 horas
- Ensino - dia 17 de Maio, 21 horas
- Técnicos de Desenho (Nacional) - 21 de Maio, 1 5 horas.
- Sector da Indústria e Comércio Farmacêuticos (Nacional), dia 27 de Maio, 14 horas.
Margem Sul:
- Os activistas da UDP dos Estaleiros Navais Lisnave, Margueira/Rocha – Setenave Parry & Son, Eugénio Severino e ENI.
- Marcha concelhia de Almada, concentração às 8.30h no mercado do Monte, dia 20.
Vão realizar um Encontro-Festival no dia 21/5.

NOTA
Não foi possível a publicação da UDP informação da semana passada (10 Maio) por mudança de instalações da tipografia responsável pela sua execução. É importante que nas reuniões e sessões da UDP, os camaradas promovam uma recolha de fundos durante a distribuição desta Folha Informativa, devido aos elevados custos deste número especial:
Esta folha informativa foi ela­borada para serem as suas páginas centrais coladas nas paredes de cantinas, paragens e outros locais de concentração de trabalhadores.
A próxima folha informativa sairá no dia 24 de Maio.

Contacta os camaradas da UDP teus conhecidos. Pede-lhes que te inscrevam na UDP.
Contacta a sede distrital e pede para registarem o teu pedido de aderência e te porem em contacto com camaradas da UDP do teu local.
Ou então, recorta a ficha de aderência impressa e envia-a para a sede nacional da UDP, Rua Bernardo Lima, 64, Lisboa.

FICHA DE ADERÊNCIA A UDP
NOME..........
..............  IDADE ...

MORADA .......
.........  TELEFONE .....
FREGUESIA ....
....  CONCELHO ..........


LOCAL DE
 TRABALHO


PROFISSÃO.....
....  SINDICATO..........




Sem comentários:

Enviar um comentário