quinta-feira, 3 de maio de 2018

1978-05-03 - UDP Informação Nº 08 - UDP


UDP INFORMAÇÃO
Número 8/3 de Maio de 1978


1º DE MAIO FOI UM DIA DE LUTA


ESTRANHA COLIGAÇÃO PS/CDS/PCP

O Conselho de Informação para a RTP recusa a participação da UDP nos debates televisivos sobre problemas de âmbito nacional. Se a posição dos partidos do governo de direita não espanta, apesar de o PS se ter arvorado em tempos grande campeão da democracia pluralista, já a posição do PCP não deixa de ser um sério motivo de reflexão para todos os trabalhadores.


Será que o PCP tem medo de ver as suas posições confrontadas com as alternativas do partido que não cala a verdade?

O povo trabalhador tem o direito de ouvir a UDP.

UM MÊS PARA A VITÓRIA

A menos de um mês do dia 25 de Maio, data marcada para conclusão da campanha dos 10 000 novos aderentes, a UDP ultrapassou já os 7 000 novos activistas. Poucos dias faltam já para alcançar a meta dos 10 000 e ultrapassá-la largamente, como já aconteceu em Alcácer do Sal, na Guarda e noutras distritais. Nas próximas semanas toda a UDP redobrará a sua actividade. A campanha será uma vitória completa!


DOIS DISCURSOS DUAS POLÍTICAS

Intervenções na Assembleia da República de Ramalho Eanes e de Acácio Barreiros.

Ramalho Eanes - ..."O que era essencial no projecto que fez o 25 de Abril foi retomado em 25 de Novembro e tem vindo a ser realizado.

Abriram-se perspectivas de uma maior justiça social.

Estão reconhecidos os direitos fundamentais dos trabalhadores.

As Forças Armadas restabeleceram a sua unidade e a sua dignidade com base nos valores da hierarquia.

A Constituição... não é um texto imutável e intocável..."

Acácio Barreiros - "Sendo assim porque é que tudo está pior? O que está mal é que em vez de se apoiar a Reforma Agrária, se ataca... o que está mal é que em vez de se criarem circuitos comerciais sobem-se os preços para engordar os intermediários. O que está mal é a Banca Nacionalizada andar a encher os seus cofres de dinheiro, recusando créditos para amanhã ir pôr esse dinheiro nos bolsos dos monopolistas sob a forma de indemnizações.

O que está mal... é que sobretudo depois do 25 de Novembro se tem acentuado neste país a política de fazer do Portugal de Abril um Portugal onde caibam os inimigos de Abril.

A reacção... por detrás das hierarquias exige que o comando das Forças Armadas seja entregue aos velhos Pinochets...

...É mais que tempo que os democratas cerrem fileiras, apoiando-se de forma decidida na luta e na força dos trabalhadores, alargando as conquistas populares, defendendo com firmeza o projecto constitucional".

Foram dois discursos, são duas políticas. O povo trabalhador que julgue.


CAPITÃO ANDRADE DA SILVA MAIS UM ESCÂNDALO DA "JUSTIÇA" MILITAR

20 meses de prisão por exercer o direito de legítima defesa contra um bando de marginais, foi a sentença aplicada pelo tribunal militar que julgou Andrade da Silva.

Esta pena revolta todos os democratas que constatam que a justiça militar condenou este capitão de Abril, curvando-se às exigências da CAP que não perdoa o apoio que Andrade da Silva deu à Reforma Agrária.

Os pides e bombistas gozam a liberdade em segurança. Rui Gomes, Andrade da Silva são condenados. Os tribunais militares não servem a justiça nem o Portugal de Abril.


A CAMPANHA VAI SER UMA VITÓRIA

Depoimento do camarada Veloso da Comissão de Controlo da campanha de aderências.

A campanha de novos aderentes para a UDP ganhou maior dinamismo nas últimas semanas. Isso é muito significativo e animador. Por três razões:

- Em primeiro lugar, vista a situação política actual de avanço da direita e do fascismo e as posições firmes e claras que desde sempre a UDP tem tomado contra as forças reaccionárias, esses novos milhares de aderentes não vêm à UDP para se acomodarem, mas para participar activamente e de modo organizado nas duras lutas que se avizinham.

- Em segundo lugar, a ampliação da campanha nas últimas semanas mostra uma tendência positiva e animadora: a vitória dos dez mil é certa, mas será ultrapassada e prolongada para lá do fim da campanha. Esta é uma bola de neve, não é fogacho.

- Finalmente, a recente dinamização da campanha é o resultado de um maior empenhamento de todas as estruturas da UDP, desde o Conselho Nacional às distritais. Isso prova o que tem sido dito mil vezes: a corrente de simpatia só se transforma numa força organizada através do trabalho decidido e persistente de todas as estruturas e de todos os activistas. Nada pode substituir esse trabalho. Setúbal, Nazaré, Alcácer do Sal, Sines são alguns exemplos bem significativos. Que esperamos para os multiplicar por todo o país?


SEMPRE FUI PELA UDP MAS AGORA QUE POSSO ADERIR NÃO HESITEI: AQUI ESTOU

Recebemos de um camarada de Caxinas a carta que a seguir transcrevemos:


Camaradas:

Sou trabalhador. Portanto procuro o apoio e apoiar a UDP.

Eu desde sempre pertenci à UDP, mas agora que tenho oportunidade de aderir à UDP não hesitei: aqui estou.

Dizei-me: quais as minhas responsabilidades? Quanto terei de pagar (mensalmente ou anualmente)? E como o poderei fazer?

Por favor, respondei-me: aderir à UDP é ficar a ser seu militante?

As perguntas que este camarada nos faz são semelhantes às que outros camaradas interessados em aderir à UDP nos têm feito pessoalmente ou por escrito. É pois a elas que vamos responder.

Aderindo à UDP vais estar organizado com os teus camaradas de trabalho ou com os teus vizinhos para lutar contra o governo de direita. Conforme as tuas possibilidades vais participar nos plenários de activistas e em todas as actividades da UDP onde poderás criticar e expor livremente o teu ponto de vista, contribuir para a actividade comum.

Quanto a quotas, a UDP não tem uma contribuição mensal fixa para todos os camaradas, contribuindo cada um com o que as dificuldades da sua vida lhe permitirem.


CAMARADAS ESCREVEM SOBRE A CAMPANHA

TLP - ..."a campanha estava atrasada... Para combatermos isso, aproveitando o dia de pagamento, juntámo-nos em grupos de 2 ou 3 camaradas e fomos fazer campanha aos principais locais de trabalho. Assim, só num dia fizemos mais aderências que em várias semanas, e verificámos como a UDP tem grande simpatia junto dos trabalhadores".

RIBA D'AVE - ..."Com a presença de 25 pessoas e na qual se discutiu a situação política e a campanha de aderências. Conseguiram-se 19 novos aderentes".

TOMAR - ..."Mais de 500 pessoas enchiam por completo ó Salão dos Bombeiros. Na mesa como convidados 4 antifascistas do Concelho que não militam na nossa organização, tendo um deles salientado o gesto da UDP em os convidar para a mesa. O camarada Bruno da Distrital de Santarém afirmou em certo ponto da sua intervenção: "Aderir à UDP é lutar para obrigar o governo a reabrir a Fiação, é obrigar o governo a pôr em funcionamento a Fábrica dos mosaicos, é defender a liberdade na fábrica do Prado... é preparar a recepção a dar pelo povo de Tomar ao MIRN de Kaúlza que anunciou acções para a nossa terra".


CAMARADA: COLABORA NA "UDP INFORMAÇÃO"

Têm chegado ao Gabinete de Imprensa inúmeras cartas e informações sobre o decorrer da campanha. No entanto muitas experiências dos camaradas não têm sido divulgadas. Em alguns casos por falta de espaço. Noutros por falta de dados concretos.

Camarada: escreve para a UDP Informação relatando as realizações que vão ter lugar no teu local de trabalho ou habitação mas não esqueças: local, horas, data, tipo de realização. Escreve relatando a tua experiência concreta na campanha mas não esqueças: local, data, número de novos aderentes.

Todas as informações devem chegar ao Gabinete de Imprensa, para a sede nacional por correio ou por telefone até cada sábado às 21 horas.


VAI ACONTECER

JURISTAS - Encontro Nacional de juristas da UDP, dia 7 de Maio, em Lisboa, com a presença de Mário Bro­chado Coelho e João Vieira Lopes da Comissão Permanente da UDP.

TRANSPORTES - O I Encontro Nacional da UDP do sector de transportes vai-se realizar no dia 13 de Maio, pelas 14 horas, no anfiteatro número 3 da Faculdade de Letras de Lisboa. Na preparação do Encontro têm-se realizado várias reuniões em diversas empresas, sendo de destacar as na CP, na Carris, nos STCP, na Rodoviária Nacional, na TAP e ainda na Marinha Mercante no próximo dia 6 de Maio na Nazaré.

PROFESSORES - O I Encontro Nacional de professores da UDP vai-se realizar nos próximos dias 1 e 2 de Julho. Encontra-se já a funcionar uma Comissão Organizadora que poderá prestar informações sobre o programa e temas do Encontro contactando para a sede nacional da UDP, Rua Bernardo Lima n. 64, Lisboa ou telefonando às quartas-feiras entre as 16 e as 20 horas para 574735-574604 de Lisboa.

Entretanto os professores da UDP da zona da Grande Lisboa vão-se reunir no dia 6 de Maio, às 15 horas, na sede nacional, para discussão da lei das bases e da luta da função pública.

PORTO - Conferência Distrital a realizar-se no dia 6 de Maio às 15 ho­ras.

VILA VERDE - Sessão de Esclarecimento às 21 horas com a presença de João Vieira Lopes.


COMO ADERIR A UDP

Contacta os camaradas da UDP no teu local de trabalho ou habitação, aparece nas reuniões, debate connosco o programa de luta da UDP.

Contacta os camaradas da UDP teus conhecidos. Pede-lhes para te inscreverem na UDP.

Contacta a sede distrital e pede para registarem o teu pedido de aderência e te porem em contacto com os camaradas da UDP do teu local.

Ou então, recorta a ficha da aderência impressa e envia-a para a sede nacional da UDP, Rua Bernardo Lima, 64, Lisboa.


FICHA DE ADERÊNCIA A UDP

A enviar para a sede distrital ou para a sede nacional: Rua Bernardo Lima, 64, Lisboa

NOME

IDADE

MORADA

TELEFONE

FREGUESIA

LOCAL DE TRABALHO

PROFISSÃO

CONCELHO

SINDICATO





Sem comentários:

Enviar um comentário