segunda-feira, 28 de maio de 2018

1973-05-00 - À GREVE - Comité Operário "Voz do Povo"


COMITÉ OPERÁRIO dos METALÚRGICOS de VIEIRA de LEIRIA

À GREVE
Aos operários e operárias da fábrica de limas União Tomé Feteira
A todos os metalúrgicos de Vieira de Leiria

Camaradas!
Chegou a hora de dizermos NÃO!
Não à exploração, à fome, à miséria e à opressão.
NÃO ao desemprego, às horas extraordinárias, ao congelamento de salários, aos prémios, à subida dos pregos e à emigração.
NÃO ao imperialismo, ao social-imperialismo e à guerra colonial-imperialista.
A classe dos capitalistas a burguesia, exerce o seu domínio e tenta perpetuar a exploração do Povo através duma ditadura armada, cujo instrumento político é o governo fantoche de Marcelo Caetano.
A ditadura da burguesia-ditadura para o Povo mas liberdade de escravizar para os exploradores - tem de ser derrubada e no seu lugar erigir a ditadura democrática e popular-ditadura para os exploradores e democracia para as grandes massas trabalhadoras. 
Mas para construir uma nova sociedade é necessário destruir a máquina de Estado burguês (exército policia, governo burguês, etc.) e no seu lugar construir um estado NOVO, ou seja, o poder da classe operária e das massas populares.
A única via para instaurar tal poder e edificar a sociedade nova, socialista, é a via da Revolução Popular Armada. A via eleitoralista e pacifica proposta pelos renegados revisionistas do P"c"P. (Partido “comunista” Português) é a via do colaboracionismo com o fascismo, é a via exaltada pela burguesia para tentar perpetuar a sua dominação sobre as massas trabalhadoras.
O partido revisionista - P"c"P - é um partido burguês para operários. Esses renegados não querem a revolução nem a ditadura do proletariado. Eles querem, tal como o seu dejecto C"d"E, a colaboração, as reformas e s ditadura da burguesia. Os revisionistas do p”c"P-Cd”E querem vender a luta da classe operaria aos interesses eleiçoeiros da burguesia.
ELES querem amarrar-nos, mas não conseguirão!
FOGO SOBRE A DITADURA BURGUESA!
FOGO SOBRE O REVISIONISMO E O ELEITORALISMO!

Camaradas:
Chegou a hora de desmascarar toda a opressão e arbitrariedades sofridas pelo Povo, e de lhe darmos um combate tenaz.
Chegou a hora de lutarmos organizados e ousadamente pela causa da Revolução Democrática Popular, pelo Pão, Paz, Terra, Liberdade Democracia e Independência Nacional. Não permitiremos mais que a ditadura da burguesia se manifeste impunemente nas nossas fábricas. Nós operários metalúrgicos temos de transformar as fábricas e as ruas em campos de batalha.

A FABRICA É NOSSA, OCUPEMOS A FABRICA!
Lutemos duramente contra a situação de extrema exploração na fábrica de limas União Tomé Feteira.
Digamos NÃO às manobras de intimidação dos canalhas Feteiras! Não ao prémio!
Camaradas:
Desde a situação gerada aquando dos despedimentos em Dezembro de 1971 e da saída do novo contracto colectivo de trabalho que muitos operários se deixaram intimidar pelos canalhas Féteiras e começaram a dar mais 30 e 40% que a produção normal.
A falta de elementos de vanguarda organizados, a falta do nosso Comité Operário permitiu que certas manobras de divisão surtissem efeito entre nós. Assim, ao passo que muitos camaradas recusaram e muito bem a dar o prémio, houve muitos que não procederam assim.
Em consequência disso esses camaradas que se mantiveram firmes passaram desde esse momento a ser o alvo preferido dos senhores do Capital. Mudaram-nos de lugar e muitas vezes chegamos mesmo a ser ameaçados de despedimento.
Mas além disto o que nós temos de ver é que este "bónus" além de ser uma fraqueza da nossa parte, constitui a mais grave traição aos camaradas despedidos em Dezembro de 1971. A maneira como essa canalha Feteira tenta suprimir a falta de operários e de aumentar os lucros é tentar fazer-nos trabalhar por nós e pelos camaradas despedidos.
Por isso a única posição correcta e justa que devemos tomar é:
1 - Não dar uma lima a mais que a produção.
2 - Exigir que todos os operários voltem aos seus locais iniciais.
3 - Um   aumento imediato dos salários que terá de ser pelo menos a contra partida dos chorudos lucros que os vampiros Feteiras obtiveram com estes prémios e do constante aumento do custo de vida
4 - Exigir que sejam readmitidos os operários e operárias despedidos que desejem trabalhar na fábrica.
Cumprido o primeiro ponto e exigir o cumprimento dos restantes três pela camarilha Feteira é a condição mínima para o começo da reabilitação perante os camaradas despedidos é um ponto essencial para o desenvolvimento da nossa luta.

A GREVE É UMA PODEROSA ARMA AO SERVIÇO DA CLASSE OPERARIA
uma posição de força da nossa parte poderá fazer ceder o inimigo; os abutres, não largam a presa de livre vontade.
A fábrica devera entrar em greve enquanto não forem satisfeitos os pontos reivindicativos.
Mas para que a nossa luta seja consequente devemos lutar contra os oportunistas e em especial os revisionistas do p"c"p-c"d”e. Só assim poderemos hastear a bandeira vermelha da Revolução Popular.

MIL COMBATES NOS ESPERAM, SEJAMOS DIGNOS DELES!
À LUTA CAMARADAS, FAÇAMOS GREVE!
OUSAMOS LUTAR OUSAREMOS TRIUNFAR!
CONTRA A EXPLORAÇÃO CAPITALISTA!
CONTRA A GUERRA COLONIAL!
CONTRA O REVISIONISMO!
VIVA A REVOLUÇÃO POPULAR!
VIVAM OS COMITÉS OPERÁRIOS
VIVA O SOCIALISMO

COMITÉ OPERÁRIO "Voz do Povo"

Sem comentários:

Enviar um comentário