domingo, 13 de agosto de 2017

1977-08-13 - FRENTE SOCIALISTA Nº 39 - FSP

FRENTE SOCIALISTA Nº 39
13.8.77 a 19.8.77

FOLHA VOLANTE da FSP - redacção: rua do Passadiço, 86 Lisboa Portugal

Ponto político
A direita tem o poder, mas não o executa na sua totalidade como desejaria, embora se prepare através de pequenos e grandes golpes para o fazer. A aliança formalizada entre o PS e o PPD e, através deste, com o CDS, é mais um passo na tentativa de criar as condições para executar um poder de direita, ou seja, o poder dos monopólios, dos latifundiários, em suma, o poder do capitalismo nacional e internacional. Mas friamente, sem triunfalismos e sem derrotismos, analizemos muito rapidamente com que forças conta a direita para executar o poder. É que não governa quem quer, governa quem pode ou quem tem força para o fazer. Neste momento a direita dispõe de uma parte do aparelho administrativo-militar, mas felizmente não domina na totalidade as Forças Armadas. Os soldados de hoje têm uma consciência diferente dos soldados do antes 25 de Abril, tal como muitos oficiais e sargentos. A direita dispõe de uma polícia de choque como no antigamente, hoje chamada de Intervenção, mas não chega para impor um poder autoritário de direita ou mesmo o fascismo tal como se verificou durante 48 anos em que as Forças Armadas lhes davam uma cobertura total o que neste momento não acontece. É que à frente de um sector do aparelho das Forças Armadas ainda se encontram homens do 25 de Abril os quais estão dispostos a resistir ao golpes de direita e extrema di­reita militar. Por outro lado a direcção direitista do PS não conseguiu dividir o Movimento Sindical, apesar de todas as tentativas feitas com o dinheiro canalizado através da CISL mas vindo da CIA. Pelo contrário, cada vez mais os trabalhadores se têm unido e organizado na defesa não só dos seus interesses mais directos como, sobretudo na defesa das conquistas do 25 de Abril. Por outro lado as organizações políticas da classe trabalhadora hoje mais organizadas e conscientes de que só numa verdadeira unidade sem sectarismos será possível vencer a direita e caminhar para o Socialismo. Por tudo isto se impõe urgentemente a necessidade das forças políticas, de esquerda e de todos os verdadeiros e consequentes anti-fascistas encontrarem uma plataforma de unidade, de trabalho e de luta contra a direita, o capitalismo o fascismo e pela construção do Socialismo. Temos que vencer, Unidos venceremos.

ENQUANTO O POVO CADA VEZ VIVE PIOR – OS GOVERNANTES À GRANDE E À FRANCESA
Uma vez mais o governo deixou cair a máscara. Os produtos do "cabazito" das compras, tal como tínhamos previsto e dito, começam a aumentar fora do tempo. O peixe congelado vai aumentar entre 60 e 80%, isto quer dizer, por exemplo, que a corvina que custa agora 54$50 o quilo passará para 80$00, a garoupa que custa 50$50, ou 65$50 consoante o seu tamanho, passará para 90$00 o K, além da pescada que até o próximo Fevereiro será substancialmente aumentada. Claro que, os intermediários já sabem isto e, para além de esfregarem as mãos de contentes, começam a reter os produtos para satisfazerem a sua ganância desmedida. O peixe congelado, a grande defesa alimentar dos nossos lares, vai subir isto quer dizer que a fome vai desabar com mais força sobre a classe trabalhadora. Do "cabaz das compras" começa a ficar apenas a palha de que é feito, aliás deve ser isso mesmo que os governantes querem que os trabalhadores comam, enquanto esses governantes e seus amigos continuam a gastar à barba longa em banquetes e nos mais caros restaurantes do país e do estrangeiro. Este o "socialismo" da abundância para os ricos e seus serventuários, que a direcção do PS, aliada ao PPD e CDS, defende.

A BESTA NAZI CONTRA O 25 DE ABRIL
Kaulza, o mentor de uma das equipas nazis que parasitam pela nossa terra e q dá pelo nome de MIRN, apresentou queixa contra o Comandante Conceição e Silva, um dos militares do 25 de Abril. O nazi Kaulza apresentou queixa contra este militar de Abril por dele ter partido a ordem de prisão aquando da investida reaccionário 28 de Setembro. Onde chega o atrevimento. Um dos pilares do colonialismo e do fascismo deseja fazer sentar no banco dos réus o 25 de Abril desta vez através do Comandante Conceição e Silva. Kaulza, a Besta nazi, que fez arder na fornalha da Guerra centenas e centenas de homens na flor da vida; Kaulza, a besta nazi, que devia estar no único lugar que existe para as bestas - a prisão - aparece agora a gritar "aqui-del-rei" que sujaram a minha honra". Vejam, que esta besta fascista só desejava afogar num banho de sangue a classe trabalhadora e fizeram-lhe uma partida destas, meteram-no na prisão. Casos como este para além de serem sérios avisos, são a prova real de que o fascismo levanta dia a dia o nariz, servindo-se para isso do chapéu de chuva do "socialismo" do governo (liberdade para os fascistas e capitalistas, repressão e miséria para os trabalhadores). Até onde Chega a afronta à liberdade. Até onde chega o miserável conceito de justiça dos governantes deste país.

NO REGIMENTO DE VILA REAL É PROIBIDO FALAR NA CONSTITUIÇÃO
O Capitão Martelo do Regimento de Infantaria de Vila Real, que havia sido encarregado de fazer o discurso para o Juramento de Bandeira realizado neste quartel viu, pelo Comandante desta Unidade, censurado o referido discurso. O motivo de tal censura foi apenas a referência à Constituição da Republica no respeitante ao Artigo que nos define como uma sociedade a caminho do Socialismo. Face a tal censura digna da que se praticava noutros tempos, o capitão Martelo recusou-se a ler o discurso e a fazer o papel de "carneiro". A direita militar, e não só, não quer que se fale na Constituição, por ora só exige isto, porque se tivesse força já a tinha calcado aos pés. A "brigada do reumático" tem saudades do passado em que foi o pilar forte da exploração e opressão; do passado em que para viverem à "barba longa" espezinhavam os mais elementares direitos humanos; do passado em que tratavam os jovens como "paus mandados" e "bestas de carga” do passado em que se serviam dos jovens para fazerem a guerra com a qual enchiam os bolsos de rios de dinheiro. Esse tempo passou, não volta. O fim das guerras coloniais e a independência dos novos países são a prova provada. A libertação dos trabalhadores marcha dia a dia com serenidade e firmeza, nas fábricas, nos mares, nos escritórios, nas escolas, nos campos e nos quartéis, até à vitória, que e certa.

AS "BOCAS" DO SENHOR MÁRIO SOARES E AMIGOS
A acção desenvolvida no primeiro ano de actividade do governo PS continua a receber os maiores elogios por parte do 1º ministro (se não for ele a gabar-se...) que afirma ter-se estabilizado a situação económica e social, prosperando o país a olhos vistos e até, pasme-se, se temos férias este ano ao governo o devemos.
Uma "boca" destas, nem no tempo do fascismo houve coragem para pronunciar. Que ilusões criam estes senhores do governo! Estarão mesmo convencidos que o povo embarca nestas "cantigas"? O Senhor Primeiro Ministro fala muito só para nos tapar os olhos. O povo e os trabalhadores sentem na carne o desastre deste ano de governo, o desastre de um modelo económico e social, que nos querem impor, mas que não nos serve. Aliás, Mário Soares finalmente conseguiu dizer que se avança no sentido de se construir em Portugal um democracia tipo Sueca ou alemã. É o tal rumo ao capitalismo. O governo bem se esforça por nos retirar aquilo que conseguimos obter através de duras lutas. Consegue-o na Assembleia da República fazendo aprovar leis reaccionárias encomendadas pelo imperialismo. Mas, os trabalhadores saberão defender os seus interesses, no momento em que estes estejam ameaçados pela aplicação de tais leis.
Cada vez mais o Sr. Mário Soares, parece não ter noção das realidades, o que não acreditamos. Por isso fala, o que significa aqui, mente, mente, para se da mentira, algo fica.

A ARMADA PORTUGUESA VAI ADQUIRIR MATERIAL MODERNO
A gente lê no jornal e não acredita, mas, embora não devesse ser verdade, parece que é mesmo assim. Segundo declarações do Chefe do Estado Maior da Armada, Almirante Souto Cruz e "numa óptica de realismo perante as dificuldades económicas que o país atravessa" (sic). Portugal irá provavelmente comprar 3 fragatas inglesas ultra-modernas cuja transacção importará em cerca de 16 milhões de contos (sem contar com cerca de 3 milhões de manutenção obrigatória).

Num país que não está em guerra (nem parece natural vir a estar) não conseguimos compreender este tipo de investimento prioritário e "realista" sabendo-se o tipo de necessidades urgentes e vitais com que o povo e o país se defrontam.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo