segunda-feira, 24 de julho de 2017

1977-07-24 - CONTRA AS REPROVAÇÕES MASSIVAS! - Movimento Estudantil

CONTRA AS REPROVAÇÕES MASSIVAS!
EXIJAMOS A 2a ÉPOCA PLENA EM SETEMBRO!
EXPULSEMOS AS DIRECÇÕES TRAIDORAS!

Camaradas:
Os recentemente publicados resultados dos exames nacionais são a prova de que a luta que os estudantes do Ensino Secundário têm vindo a travar ao longo do ano lectivo não pode parar mas, antes pelo contrário, deve continuar a adoptar novas formas.
Os resultados desses exames vêm mais uma vez deitar por terra as teses dos dirigentes traidores da UE"C" que nos procuraram convencer de que "a lei das compensações vinha resolver o problema dos exames nacionais", e provaram igualmente a justeza da palavra de ordem "UE'C' - Cardia, o mesmo combate". Não é, alias, por acaso que, após isso, a denominada "comissão coordenadora da luta contra os exames nacionais" entrou em absoluto silêncio.

As reprovações massivas têm gerado uma grande revolta nos estudantes e no Povo, especialmente naqueles que, ao pegarem nos pontos de exame, viram que metade ou mais das perguntas diziam respeito a matéria que nunca tinham dado (por responsabilidade do MEIC) como foi o caso, entre muitos outros, do ponto de Geografia do 2º complementar do Liceu Nacional de Queluz. Revolta esta que tem crescido especialmente junto dos estudantes que vêem nas pautas reprovado...reprova do... reprovado..., que vêem nas suas escolas reprovações na ordem dos 70%, 80% e mesmo 90%, como é o caso da E.C. Patrício prazeres ou do Liceu D. Diniz onde foi de 84%, ou ainda na E.C.I. Machado de Castro de 50%, da E.C. Veiga Beirão de 70% e do Liceu D. João de Castro 60%.
(Tias não só os estudantes se revoltam. Também o povo compreende que a feroz selecção que se abate sobre os seus filhos nas escolas é uma consequência da política anti-operária e anti-popular do Governo PS que, a par das desnacionalizações, das desocupações, do desemprego e da inflação que só têm trazido mais miséria e mais fome para o povo, tenta agora limitar o acesso ao ensino e destruir as forças da ciência e do saber, para manter o nosso povo na ignorância e na miséria, como fez também antes o governo de Salazar e de Caetano.
É num movimento de revolta como este que nós vemos as direcções traidoras e vendidas das AAEE do D. João de Castro, da Fonseca Benevides e da Veiga Beirão e ainda a Comissão Distrital de Candidatos (todas afectas a U"DP"/P"C"P(R)) realizar uma Conferência de Imprensa através da qual nos pretendem enfiar a te­se de que "até nem houve muitas reprovações" e que "afinal os exames nacionais não eram tão maus como isso" e de que "o MEIC pretende assim escoar o grande afluxo dos Liceus". O reaccionarismo contido nestas teses demonstra que estes senhores sempre estiveram contra a luta dos estudantes do Ens. Sec. e procuram agora impedir que ela se desenvolva e assuma novas repercussões; esses doutores apenas procuram envolver-se nelas para as trair e não passam de um pau-mandado da UE"C", o que é o mesmo que dizer, um pau-mandado do MEIC e do Governo PS.
Nos defendemos que a luta deve continuar, e só os lacaios do MEIC e falsos defensores dos estudantes é que podem vir afirmar que não nos podemos revoltar contra os "chumbos". Em cada escola os estudantes devem realizar amplas reuniões para aprovar a plataforma de luta que permita "virar o bico ao prego" às intenções do MEIC, ou seja, é necessário que os estudantes nessas reuniões aprovem e exijam a realização de uma 2ª época em Setembro com exames elaborados por escola em que possam candidatar-se todos os estudantes, independentemente da idade e do número de cadeiras que lhes falta para acabar o curso - seguindo o exemplo das seguintes escolas - Liceu D. Leonor, E.C. Veiga Beirão, Liceu D. Diniz, E.C. do Cacém, E.C. Luísa de Gusmão (noite) e D. Afonso Domingues.
Esta e a única forma de revogar os resultados agora obtidos e de impor que os estudantes sejam avaliados pelas matérias que realmente estudaram, as quais, constem dos sumários dos livros de ponto das turmas. É ainda necessário para que isso seja feito, que nessas reuniões se exija a participação das estruturas representativas dos estudantes nos júris de avaliação das provas de exame, no sentido de impedir que, nesses júris, o MEIC e os seus acólitos das Comissões de Gestão, procurem efectivar de novo as reprovações massivas, assim como sua participação na previsão das provas de todos aqueles que as requeiram.
Estas reuniões devem ainda eleger Comissões de Luta, nos casos em que as DAEs são compostas por dirigentes vendidos, como é o caso das DAEs D. João Castro Fonseca Benevides, Veiga Beirão e outras, seguindo aliás o exemplo dado pelos estudantes desta ultima que souberam dar-lhes uma resposta clara elegendo a Comia são de Luta que subscreve este comunicado e que, desmascarando a traição da DAE, afecta à U"DP",sempre tem defendido os estudantes e encabeçado as suas lutas.
É assim que as DAEs e Comissões de Luta que subscrevem este comunicado propõem que em todas as escolas seja discutida e aprovada a seguinte plataforma de luta:
1. Realização de uma 2ª época plena em Setembro, com exames por escola a que se possam candidatar todos os estudantes, independentemente do número de cadeiras que lhes faltam para acabar os seus cursos.
2. Participação das estruturas representativas dos estudantes (DAEs Comissões de Luta, Comissões de Delegados de Turma) nos júris de avaliação de provas de exame.
3. Participação dessas estruturas e dos estudantes nas revisões de provas de exame de todos aqueles que as requeiram.
Esta semana vai ser decisiva para a mobilização e imposição da 2ª época plena em Setembro com exames por escola. A plataforma que defendemos é a única que permite que a luta continue forjando a unidade dos estudantes, até conseguirmos a vitória, e para isso, para que seja aplicada é necessário que todos os estudantes independentemente de, segundo o reaccionário regulamento do MEIC, poderem ou não fazer a 2ª época plena se mobilizem para participarem activamente nas reuniões de escola, organizando a sua convocação por bairros e por vilas, com abaixo assinados e moções, e fazendo após a sua aprovação concentração a porta da Comissão de Gestão e enviando-as ao MEIC.
É ainda no sentido de divulgar esta plataforma de luta e de dar uma resposta clara á provocatória Conferência de Imprensa realizada pelas DAEs vendidas, e não com o objectivo das mesmas de trair a luta, que as DAEs e Comissões de Luta abaixo-assinadas vão realizar um Encontro com a Imprensa. Desde já apelamos e comparência de todos os estudantes na 4ª F., dia 26, às 16H, na E.C. Veiga Beirão.

CONTRA OS EXAMES NACIONAIS!
PELA SEGUNDA ÉPOCA PLENA COM EXAMES POR ESCOLA!
PELA REALIZAÇÃO DE AMPLAS REUNIÕES DE ESTUDANTES!
CONTRA AS REPROVAÇÕES MASSIVAS!
PELA PARTICIPAÇÃO DAS ESTRUTURAS REPRESENTATIVAS NOS JÚRIS DE AVALIAÇÃO!
EXPULSEMOS AS DAEs TRAIDORAS!
ELEJAMOS COMISSÕES DE LUTA REPRESENTATIVAS!
TODOS ÀS REUNIÕES DE ESCOLA!
APLIQUEMOS A PLATAFORMA DE LUTA!
TODOS SEGUNDA ÉPOCA EM SETEMBRO!

Lisboa,
24 de Julho de 1977             
DAE E.I. Afonso Domingues
DAE E.C. Luísa de Gusmão
DAE Liceu de Torres Vedras
C. Luta E.C. Veiga Beirão
C. Luta E.S. da Portela

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo