quinta-feira, 20 de julho de 2017

1977-07-20 - AOS TRABALHADORES DA LISNAVE - PCP(R)

AOS TRABALHADORES DA LISNAVE  

CAMARADAS:
Tem existido neste mês toda uma campanha bem orquestrada no sentido de melhor dividir, desmobilizar e trair os trabalhadores afastando-os da intervenção na luta pelas propostas aprovadas na A.G.T. de 17-3-77, tentando criar um clima propício ao medo e ao recuo da parte dos trabalhadores, servindo declaradamente uma política de recuperação económica (capitalista) à custa da miséria e do sacrifício de quem trabalha.
É assim que se assistiu nos dias 1, 5, 7, e 14 deste mês a uma campanha provocatória aos interesses dos trabalhadores. No dia 1 na reunião de delegados sindicais e dos trabalhadores, perante uma proposta acompanha da de 1300 assinaturas a exigir uma A.G.T. para o dia 5 o grupo do leque, fez aprovar reuniões sectoriais tal como há uns tempos atrás, mostrando todo o desprezo que ele tem pela vontade de quem trabalha.

No dia 5 foi o comunicado anti-comunista, anti-trabalhador e claramente divisionista do dito partido "Socialista”. Sob a capa do combate ao caciquismo, ao divisionismo e á traição do C.G.T., grupo do leque e secretariado da Inter, mais não fez do que atacar do mesmo modo os trabalhadores e as suas conquistas, defendendo a politica reaccionária dos ministros como Barreto, Cardia e Gonelha e os interessas, da Administração da nossa fábrica (coisa aliás que o grupo do leque e suplanta).
Perguntam no seu comunicado porque é que o C.G.T. não informa os trabalhadores das suas contas e dos milhares de quilómetros que gastam em deslocações, além de outras perguntas sobre a situação da Lisnave.
No entanto, perante o silêncio do C.G.T. não têm a coragem de divulgar aos trabalhadores tais coisas fazendo o jogo entre o patronato e as diversas forças que representam e servem o capital. Mas têm ainda estes senhores o descaramento de.se insurgirem contra as manifestações de rua feitas pelos trabalhadores na luta pelas suas condições de vida, e estão de acordo tal como a Administração e o grupo do leque na formação, do horário de trabalho com o turno da lh às 8h (que os trabalhadores terão recusado).
Afirmam que o grupo do leque têm a contra-proposta final da Administração desde meados de Junho e que não informam os trabalhadores mas eles fazem o mesmo e nada divulgam. Afirmam que o grupo do leque está num beco sem saída ao qual nós estamos de acordo, mas se os trabalhadores seguirem a, sua politica não tiravam do grupo do leque os traidores para eleger elementos que defendam os trabalhadores mas sim destruíam os órgãos dos trabalhadores um dos instrumentos mais precioso no combate ao patronato e à reacção, Mas não terminou aqui a campanha anti-trabalhador e assim no dia 7 tivemos a possibilidade de ler dois comunicados (Administração/grupo do leque) que se podiam entrelaçar num só senão vejamos:
Comunicado da Administração (extrato)
"A Administração chama a atenção de todos os trabalha dores que o que está em jogo e o futuro dos seus próprios postos de trabalho, e que o deixarem-se arrastar por grupos demagogos que deles se servem para atingir os seus objectivos políticos pode, ter consequências desastrosas, como tem vindo, infelizmente a acontecer em tantas outras empresas portuguesas".

COMUNICADO DO GRUPO DO LEQUE (EXTRATOS)
"Alertamos todos os camaradas que não se deixem arrastar, por actuações impulsivas que possam por em causa as conquistas que obtivemos". "Aqueles que estão a querer arrastar os trabalhadores para actuações precipitadas não estão de maneira nenhuma a contribuir para o seu benefício, mas sim pôr em perigo esse mesmo benefício".
No entanto uma contradição ressaltou aos olhos de todos os trabalhadores, enquanto a Administração diz no início do seu comunicado que entregou ao grupo do leque a sua posição final face às propostas dos trabalhadores, o GRUPO do LEQUE diz que só o facto da Administração não ter entregue a sua posição final não os possibilitou de realizar as A.G.S. mais cedo.

EM QUE FICAMOS ENTÃO? QUEM DIZ A VERDADE?
Porquê que logo à saída de um comunicado assinado por vinte e tal delegados o GRUPO do LEQUE resolveu começar a fazer as assembleias.
É em tudo isto que os trabalhadores têm de começar a pensar no mais curto espaço de tempo para que a divisão e o sectarismo sejam escorraçados e se começa a forjar a unidade, condição fundamental para futuras vitórias, Mas se como toda esta situação não bastasse no dia 14 foi a vez do partido revisionista de Cunhal vir a lume com um comunicado. Apelam estes senhores ao reforço da “UNIDADE” em torno de elementos como PARREIRA, AREDU e outros que neste momento ocupam o lugar na comissão de trabalhadores.
Como se isto fosse possível! Então os trabalhadores podem cerrar fileiras em torno de elementos que têm o descaramento de dizer que os operários do casco são da CIA, que fazem propostas que a Administração diz resolver os seus problemas, que sabotam, dividem e traem os trabalhadores.
Voltou mais uma vez o Partido revisionista à mentira e ar calunia dizendo que foram as forças revolucionárias que levaram a TIMEX, TAP e TLP para becos sem saída, No entanto não divulgam aos trabalhadores que casos como estes fizeram parte de toda uma campanha da reacção que abandonou e fechou fábricas entre outras manobras que veio a culminar no 25 de Novembro, Por outro lado não dizem aos trabalhadores os becos sem-saída e as derrotas a que têm levado inúmeras trabalhadores como na C. Civil, Panificação, F. Publica, A.R.B., intento e mais recentemente na luta pelo C.C.T.V. dos Metalúrgicos. Podemos ate afirmar que já à bastante tempo que os trabalhadores que seguem a política deste Partido não têm vitórias mas têm sido sim levadas para sucessivas becos sem saída e derrotas, Como na nossa fábrica podemos dizer quais as vitórias que os trabalhadores têm tido com estes elementos à sua cabeça? NENHUMA! E se até este momento maiores derrotas não temos tido e devido à existência de forças revolucionárias que se têm preocupado em cada momento apresentar o caminho a seguir pelos trabalhadores, Podemos ainda consultar o comunicado destes servos do capital e reparamos que nem uma só palavra se escreve na defesa das propostas aprovadas em 17-3-77, pelo contrário muitas se encontram de sectarismo, medo, divisão e traição à classe.

QUAL O CAMINHO A SEGUIR NAS A.G.S.?
O nosso Partido como único consequente e defensor dos interesses dos trabalhadores aponta que em todas as assembleias se aprove a realização no mais curto espaço de tempo da A.G.T.. Os trabalhadores devem ter claro em todas as assembleias o processo que se viveu nas anteriores assembleias ditas de “esclarecimento e mobilização dos trabalhadores" que mais não serviu do que para empatar tempo com uma completa demagogia, por parte da mesa, Temos que ter presente que hoje depois de todo esse “esclarecimento e mobilização” por parte do GRUPO do LEQUE o resultado é que não temos uma só proposta aprovada e todas elas encontram-se" dependentes do horário de trabalho. Temos que ter presente ainda que o arrastar do tempo não serve os interesses dos trabalhadores, antes pelo contrário opõem-se a esses mesmos interesses.

- ESCORRACEMOS DO NOSSO SEIO OS TRAIDORES, MENTIROSOS E DIVISIONISTAS!
- VIVA A UNIDADE DE TODOS OS TRABALHADORES!
- EM FRENTE PELAS PROPOSTAS APROVADAS!
- EM FRENTE PELA AGT!
- VIVA O PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS (RECONSTRUÍDO)

Margueira, 20/7/77
Secretariado do Comité Alfredo Dinis (Alex) do Partido Comunista Português (Reconstruído)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo