terça-feira, 11 de julho de 2017

1977-07-11 - Resolução do Comité Permanente do Comité Regional de Lisboa da FEM-L de 11/12 Julho 1977 - FEML

Federação dos Estudantes Marxistas - Leninistas Organização do PCTP/MRPP para a Juventude Comunista Estudantil

Aprofundar o movimento de rectificação geral
Consolidar a organização
Servir o povo onde quer que estejamos

Resolução do Comité Permanente do Comité Regional de Lisboa da FEM-L de 11/12 Julho 1977
Julho/Agosto/Setembro 1977

Aprofundar o Movimento de Rectificação
Na sua reunião de 12/7/77, o Comité Permanente do Comité Regional de Lisboa da FEM-L discutiu e analisou detalhadamente as 10 frentes de Luta e as 57 orientações contidas no Plano de Acção para Julho/Agosto do CEV-RS Comité Central da FEM-L, cora vista à sua aplicação no trabalho da nossa organização.

O C. Permanente recomenda a todas as células e comités que estudem de forma profunda este documento, cuja correcção das medidas políticas e a amplidão das perspectivas do trabalho comunista entre o povo e as massas estudantis, fazem dele uma importante arma que permite que, durante este período de férias escolares, em voz de se desagregar, a nossa organização reforçar-se-á; em vez de paralisar, intensificará a propaganda, ligar-se-á ao povo; em vez de perder o norte, ganhará novas e mais amplas perspectivas para o trabalho comunista entre o povo, com o qual os nossos quadros irão aprender.
Após o 1º Colectivo de Quadros dirigentes, o movimento de rectificação ganhou novo impulso, e foi incentivado nas reuniões que o C. Permanente realizou com as células das principais escolas do ensino Superior e os Comités Locais do ensino Secundário.
A rectificação deve estender-se a todas as células e comités, desde os quadros dirigentes até aos militantes das células de escolas.
Assim sendo, o C. Permanente do C. Regional de Lisboa da FEM-L tomou as seguintes medidas:
1. Todas as células devem convocar Reuniões Alargadas aos aderentes, até ao fim de Julho, tendo essencialmente dois objectivos: fazer o balanço da actividade desenvolvida durante o ano lectivo, em particular após o 1º Congresso Nacional da FEM-L, e reforçar os vínculos organizativos com os aderentes. Já estão convocadas as seguintes reuniões:
Célula D. Diniz - dia 21          Célula Lic. Queluz - dia 19
"    D. Pedro V - dia 22            "    M. Pombal - dia 26
"    Cacém - dia 22                   "    F. Borges - dia 27
     "    IST- dia 21 "                       “    Esc. Portela - dia 28
2. Ratificar a convocação do IIº Colectivo do Trabalhadores-estudantes, segundo proposta do Departamento, para o próximo dia 20, quarta-feira. Este Colectivo irá discutir e aprovar as orientações específicas para o nosso trabalho no sector, pelo que todos os secretários de células devem agarrar desde já a sua convocação entre os aderentes da sua escola.
3. Convocar a Reunião do Departamento Associativo para a próxima 3ª feira, dia 19, às 21h, com o objectivo de o erguer como efectivo órgão de direcção política.
4. Recomendar a que cada célula proceda ao estudo atento das alterações organizativas que poderão sofrer, em consequência de alguns quadros abandonarem os estudos e de alguns secretários acabarem os seus cursos:
Para impedir o seu enfraquecimento ou desagregação, estas células devem elaborar um plano pormenorizado, com objectivos imediatos e intermédios, de educação dos quadros mais novos que se destacam na luta, com vista ao seu recrutamento; ao mesmo tempo, devem intensificar o estudo da linha política do Partido, na base do relatório das ”20 Questões na edificação do Partido".
5. Estimular o estilo avançado de trabalho que começa a surgir e que se materializa na realização dos balanços na base dos relatórios escritos, e incentivar a elaboração e execução de planos de actividade.
6. Cada célula e comité novo fazer o seu próprio plano para o período de férias escolares.

Ousar Ser a Direcção
O Comité Permanente alerta toda a organização para o surgimento de concepções erradas que defendem, "estamos em férias" o que "em férias não há lutas", concepções estas que são manifestações da linha capitulacionista e liquidacionista e criam as condições para, o abandono das massas à corrupção e influência da burguesia, para a dispersão dos nossos quadros e a paralisação da organização.
A reforma burguesa do ensino desenvolve-se nas costas dos estudantes, que serão postos perante factos consumados quando voltarem às escolas; a selecção intensifica-se com as reprovações massivas provocadas pelos exames nacionais; e estão em preparação os "famigerados" exames de aptidão — com estas condições só um capitulacionista incorrigível é que pode afirmar que “estamos em férias".
A situação é explosiva, de um momento para o outro, a luta pode rebentar com uma envergadura antes não alcançada. A questão está em saber quem vai dirigir e unir estas lutas para as levar à vitória.
De acordo com esta situação, o Comité Permanente estudou a táctica contida na resolução em 10 pontos do Comité Permanente do Comité Estrela Vermelha-Ribeiro Santos, no dia 3 de Julho, e tomou as seguintes medidas:
a). Ensino Secundário
1. Agudizar a luta ideológica em cada célula, contra a linha, capituladora que prega o imobilismo, a inércia e a indiferença e visa liquidar a luta dos estudantes e a capacidade dos comunistas a dirigirem.
2. Todas as células do ensino secundário devem fazer comunicados contra os exames nacionais, denunciando na base dos números e dos factos, o significado das reprovações massivas, apresentando a nossa plataforma de luta, denunciando o silêncio cúmplice das DAEs social-fascistas, e convocando reuniões dos estudantes que fizeram exames, onde deverão ser eleitas comissões de luta.
3. As nossas D.AEs devem ousar tomar a cabeça desta luta, demarcando-se das D.AEs social-fascistas e organizando a luta na sua própria escola. Para isso sairá já na sexta-feira, um comunicado assinado pelas D.AEs e comissões de luta influenciadas pela FEM-L.
4. Os nossos camaradas devem, em cada escola, unir-se às massas, estar em permanente contacto com os estudantes, em particular com os que vão ver as notas dos exames, discutir com eles os resultados, fazer agitação intensa e propagandear a nossa plataforma de luta.
b) A Luta contra, o Exame de Aptidão
Tendo tomado conhecimento do plano e da data da, convocação do Plenário de Candidatos, elaborado pelo respectivo departamento, o Comité Permanente considerou errado, porque não atendia à situação particular da vida destes estudantes e às características específicas desta luta.
O Comité Permanente analisou o trabalho desenvolvido até agora neste sector e, concluiu que tem sido aplicada uma linha contrária à do Partido, de deixar que o inimigo revisionista tome a iniciativa e dirija a luta, de não disputar a direcção das comissões fantoches e ficar de fora, de não ousar ser a direcção; por seu turno, o departamento não tem plano e o seu secretário não consegue mobilizar os quadros.
Com vista a rectificar esta situação, o Comité Permanente definiu um plano de acção imediato:
1. Convocar um Plenário de Candidatos, para a próxima 5ª feira, dia 21.
2. Mobilizar os estudantes para o Plenário através da convocação das reuniões em cada escola; concentrar forças nas de Letras, Direito.
3. Desenvolver intensa propaganda apelando ao boicote activo à aptidão.
4. Convocar uma reunião do Dep. de Candidatos para 4ª feira, a fim de discutir o plano proposto pelo Comité Permanente.
5. Convocar uma reunião com todos os nossos camaradas candidatos a fim de os mobilizar para a aplicação do plano e preparar o Plenário.
c) A Luta no Ensino Superior
A luta no ensino superior encontra-se actualmente na avaliação de conhecimentos e na reestruturação da Universidade.
O Comité Permanente salientou a importância da realização do Iº Colectivo de Quadros e Aderentes das Escolas de Economia, no próximo dia 23, e incentivou a preparação de colectivos nas escolas de Medicina, Enfermagem e Farmácia. Estes colectivos têm por objectivo o estudo do plano da burguesia para o ensino e a elaboração da nossa alternativa, à luz das resoluções do Colectivo de Quadros de Coimbra, a exemplo do que está já a fazer a célula de Direito.
O Comité Permanente chamou a atenção para a necessidade de as conclusões destes colectivos serem divulgados às massas, e recomendou a preparação de reuniões e debates em cada escola, no princípio do ano lectivo.

As Jornadas Desportivas da Juventude
Aprender com os Pioneiros Vermelhos.
Tirar as lições dos erros.
Analisando o estado do preparação destas jornadas, o Comité Permanente pode aperceber-se que novamente as jornadas estão em risco, quer dizer, a 4 dias da sua realização, nada está garantido, desde a propaganda até à organização dos jogos.
A responsabilidade está no Comité da FEM-L organizador das jornadas, e em particular no seu responsável, pois que não soube apoiar-se na maioria dos quadros, na sua iniciativa e entusiasmo e, não tendo conseguido pôr a funcionar a comissão destacada para assegurar as tarefas práticas necessárias à boa organização das jornadas, substitui-se a ela, o que levou à concentração das tarefas em dois camaradas, e a não se ter feito sentir em toda a organização a direcção política do comité.
A fim de agudizar a luta ideológica no comité, e intensificar a preparação e mobilização para as jornadas, o Comité Permanente decidiu convocar uma reunião urgente deste comité, no qual decidiu integrar mais um quadro.

Servir o Povo onde quer que estejamos
O Comité Permanente do Comité Regional determinou como esforço principal de todas as células, durante este período, aprofundar a ligação ao Povo e aprender com elo. O Comité Permanente definiu os 3 grandes sectores onde o nosso trabalho comunista se poderá desenvolver: as colectividades populares, a alfabetização o as brigadas de saúde.
a)Colectividades
Todos os camaradas sem excepção devem participar nas colectividades populares, desde as associações culturais aos clubes desportivos, lutando aí pela divulgação da política do Partido e pelos interesses do Povo.
b)Alfabetização
O Comité Permanente decidiu organizar uma brigada-piloto para este trabalho, constituída por 6 camaradas: André (Portela), Cristina (D. Leonor), Leonardo (IST), Aleixo (Coop.), e mais dois camaradas a destacar.
Este trabalho deve iniciar-se em Agosto, sob a direcção da Cooperativa Karl Marx e deverá centrar-se nos bairros pobres, dos quais foram sugeridos 3 - Carnide, Marvila e Cheias.
c) Saúde
Estas brigadas deverão ser constituídas, no prazo de quinze dias, por camaradas do Comité da Saúde, sob a direcção deste, e deverá centrar-se no trabalho que o Partido mantém no Bº Relógio ou outros.

Consolidar a venda do LUTA POPULAR
O Comité Permanente analisou a situação actual do LUTA POPULAR na nossa organização e afirmou a necessidade de se evitar una quebra grande na venda de jornais durante este período. Nesse sentido apontou às células as seguintes tarefas:
1. Intensificar a venda, militante nas ruas, e fazer desta venda, uma "escola de quadros", à semelhança das brigadas de alfabetização e saúde.
2. Lançar a campanha das 100 assinaturas trimestrais durante esta semana; cada célula deve marcar o seu objectivo e agarrar com firmeza esta tarefa.
3. Fazer chegar o LUTA POPULAR a todos os aderentes mesmo àqueles que saem de Lisboa durante estes 3 meses, tomando-o como principal vínculo organizativo com esses aderentes.
4. Fixar o prazo até dia 18 para todas as células saldarem as suas dívidas ao jornal.
5. Persistir e intensificar a agitação e propaganda durante a venda militante do LUTA POPULAR, com bancas e jornais murais, lutando pela aplicação do plano já elabora.do a este respeito.

Prosseguir com as Jornadas Culturais
1. Apoiar e incentivar o trabalho cultural programado pelo C.L.Z. Oriental e pelo Dep. dos Pioneiros Vermelhos, que constituem exemplos avançados na compreensão da importância e do conteúdo deste tipo de trabalho.
2. A Feira do Livro Marxista realizar-se-á em Outubro, por iniciativa da Cooperativa Karl Marx. Durante estes 3 meses, a Coop. deve estudar a forma de prosseguir a sua actividade, nomeadamente organizando exposições de livros nos locais de maior concentração das massas.
3. Dar todo o apoio às iniciativas culturais do Partido, nomeadamente à grande pintura mural que está em preparação, assim como a colóquios e comícios.
4. Ligar o trabalho de alfabetização e saúde à divulgação da cultura nova, denunciando a agressão ideológica imperialista e social-imperialista, e combatendo a ideologia revisionista

Alcançar os objectivos das adesões
O Comité Permanente analisou a situação actual desta campanha, e detectou as dificuldades que têm obstado ao cumprimento dos objectivos.
1. Algumas células podem, no prazo de 15 dias, alcançar os seus objectivos, desde que os seus quadros se mobilizem intensamente e agarrem com ambas as mãos esta tarefa - é o caso da E.I.C.V.F. Xira, Departamento dos Pioneiros Vermelhos, D. Leonor e outras.
2. Combater a concepção de que a campanha já acabou. A campanha continua, cada quadro deve ter consigo o cartão de adesão seja qual for o local onde se encontre - é de realçar o exemplo do secretário da célula da Machado de Castro que, em plenas Jornadas Desportivas, organizou um aderente.
3. Cuidar da educação política dos aderentes, não os abandonar durante estes 3 meses, convocar reuniões regulares (de acordo com as possibilidades).
4. Ter sempre em mente o objectivo de os recrutar para as nossas fileiras, particularmente nas células em que grande número de quadros vai sair por terem acabado os cursos, mobiliza-los para a aplicação do plano de acção para o período de férias escolares.

Regularizar a situação financeira
Analisando a gravidado da situação financeira da nossa organização, e o elevado montante de empréstimos contraídos, o Comité Permanente tomou as seguintes medidas
1. Intensificar a luta ideológica nas células pelo pagamento integral e a horas das quotizações.
2. Aproveitar o período de férias para saldar as dívidas, mobilizando todos os quadros para a CAMPANHA dos 50 CONTOS, que decorre durante este mês, por decisão do C.E.V.-R.S.
O Comité Permanente aprovou o objectivo de 30 contos, e os seguintes objectivos de cada célula:
Direito - 3.750$00                    
Letras - 3.000$00
HSM - 2.100$00
ISE - 3.750$00
ISCTE - 1.500$00
ISCAL - 1.000$00
ISCSP - 100$00
IST - 1.000$00
ISA - 750$00
Ciências - 1.000$00
ICBL - 1.000$00
ETE - 150$00
A. Ravara - 150$00
Farmácia - 700$00
Arquitectura – 500$00
A. Plásticas - 500$00
ISPA - 250$00
ISEP – 500$00
Dep. Pioneiros - 300$00
A. Domingues – 500$00
L. Gusmão - 1.000$00
C.L.Z. Oriental - 2.250$00
C.L.Z. Ocidental - 1.000$00
C.L.L. Sintra - 500$00
C.L.C. Cidade - 1.500$00
C.L.L. Cascais – 750$00
Dep. Candidatos - 500$00
Coop. Karl Marx - 1.500$00

3. Proceder à revisão geral das quotas em cada célula. Recolher as quotas dos aderentes periodicamente.

VIVA O MOVIMENTO DE RECTIFICAÇÃO GERAL!
VIVA A OFENSIVA POLÍTICA DA F.E.M.-L.!
ANDAR MAIS, MELHOR E MAIS DEPRESSA!
VIVA A F.E.M.-L.!

VIVA O PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo