quinta-feira, 22 de junho de 2017

1977-06-22 - APOIEMOS A JUSTA LUTA DOS TRABALHADORES DA LIMPEZA LUTA PELO PÃO! - PCTP/MRPP

Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP)

AO POVO DE LISBOA

APOIEMOS A JUSTA LUTA DOS TRABALHADORES DA LIMPEZA LUTA PELO PÃO!

Os 1180 trabalhadores cantoneiros em luta são dos mais explorados da CML e do nosso País. Os seus ordenados actuais são de 6.400$00 - Letra S - e ao reivindicarem a letra O, reivindicam um aumento de 1.400$00, ou seja um ordenho de 7.800$00, reivindicação antiga dos cantoneiros que vem desde 1975 e que o MAI sempre recusou. A sua justa luta e reconhecida como correcta pela Direcção Sindical dos trabalhadores da CML ao contrário do que o governo pretende fazer crer ao Povo através da sua campanha demagógica na radio, televisão e jornais que o Povo custeia.

A luta dos cantoneiros é também uma resposta a um decreto do MAI que pretende manter como estava e baixar de letra uma parte dos trabalhadores.
Os responsáveis por esta situação não são evidentemente os cantoneiros de limpeza que tendo ordenados de fome, reivindicam ainda ordenados que continuam a ser de fome e miséria.
Os inimigos do Povo, os responsáveis são os reaccionários acoi­tados na Presidência da Câmara, no MAI, é ao fim e ao cabo a política contra-revolucionária, anti-operaria e anti-popular do governo do Dr. Mário Soares que mais não tem feito e continua a fazer senão por em prática uma política que lhe é imposta — e que se apressam a executar como miseráveis gerentes do grande capital, como miseráveis traidores de todas as promessas demagógicas que não se cansaram de fazer para caçarem votos ao Povo.
Uma política que lhe é imposta, diziam, pelos monopólios, pelos latifundiários, que lhe é exigida pelo imperialismo americano e pelo social-imperialismo revisionista soviético para aprofundar os seus interesses passados e futuros na nossa Pátria, à custa da exploração do nosso Povo, para manter os seus interesses nas ITTs e nas AMINTERs.
O Povo de Lisboa deve apoiar a luta dos cantoneiros da CML e exigir à Câmara, ao MAI que satisfaçam de imediato as reivindicações dos trabalhadores e é à Câmara que deve pedir contas pelos perigos para a saúde pública que a sua recusa acarreta.
São incomportáveis as reivindicações dos cantoneiros? Então porquê? Porque pedem apenas ordenados de 7.800$00. Porque querem fazer face com mais uns míseros tostões ao aumento do custo de vida. Porque lutam com firmeza pelo pão a que têm direito.
O trabalho dos cantoneiros é um trabalho duro, insalubre e penoso e sem as mínimas condições.
Se um trabalhador da limpeza não pode ganhar 7.800$00 por mês segundo estes senhores, então porque podem ganhar 15.000$00 e mais de 20.000$00 mensalmente, os vereadores e o Presidente da Câmara?
Vejamos alguns exemplos de como a CML esbanja o dinheiro do Povo e assim vermos melhor a natureza deste e de todos os governos provisórios e porque se recusam a satisfazer aquelas reivindicações.
Para a Direcção dos Serviços de Finanças que cobra cerca de 3 milhões de contos anuais (receita anual da Câmara) a CML dispensa anualmente 75.000 contos. Para o Gabinete da Presidência a soma anual é de 6 mil contos. Para a polícia Municipal gastou em 1976 mais de 15 mil contos e que conjuntamente com o Tribunal Municipal e a PSP tem como funções expulsar os moradores pobres das casas que justamente ocuparam, aplicar multas, cobrar impostos, etc.
Que diferença há entre a Câmara de outrora e a actual Câmara?
Todos os principais partidos da burguesia estão acoitados na Câmara de Lisboa (desde o C"D"S ao P"C"P) e importa saber se deram ao Povo alguma coisa mais que não fosse o aumento da carestia, o deterioramento dos transportes públicos, o aumento da corrupção, a continuidade dos bairros de lata, o agravamento da provocação e da insolência das forças repressivas contra o Povo.
Entretanto foi aprovado na Assembleia Municipal o aumento do horário de trabalho para os trabalhadores do Comércio com o apoio de todos os partidos aí metidos.
Perguntamos a esses senhores que fizeram das promessas que fizeram não só em todas as eleições, mas particularmente nas eleições para as autarquias locais?
Como podem, então, ter a pouca vergonha de virem dizer que a greve é injusta e "selvagem" e outras reacionarices para iludirem o Povo e virá-lo contra os cantoneiros? Os cantoneiros passam fome com os actuais ordenados e por isso lutam por melhores condições de vida.
Se o lixo se acumula nas ruas é o Povo que sofre com isso e se a CML e o MAI não aceitam as reivindicações dos cantoneiros é porque a sua política é contra o Povo.
A luta dos cantoneiros e uma luta pelo Pão. É a luta de todo o Povo trabalhador. A esmagadora maioria dos 700.000 habitantes do Concelho de Lisboa sabe que a CML, ou seja, o governo e todos os partidos que aprovam os decretos da fome e da repressão na Assembleia da República não resolvem nenhum dos problemas do Povo.
Esta luta não envolve apenas 1180 trabalhadores mas também a maioria dos 8.000 funcionários da CML, sujeitos igualmente à mesma exploração. Envolve o Povo de Lisboa que vê as suas condições de vida piorar dia a dia.
Todo o Povo trabalhador deve estar solidário com a luta dos cantoneiros da CML e repudiar toda a demagogia da Câmara e do MAI e exigir por todas as formas à CML que satisfaça de imediato as reivindicações dos cantoneiros.
O governo ameaça proceder a requisição civil dos trabalhadores.
O Povo de Lisboa deve levantar-se contra essa infame intenção que é uma provocação vil contra todos os explorados da nossa Pátria. Para o governo os cantoneiros são uma corja desprezível que recolhe o lixo, enquanto eles, parasitas e burocratas, papagueiam de barriga cheia na Assembleia da Republica, nada de útil fazem e colhem chorudos ordenados.
O PCTP conclama o Povo trabalhador a apoiar sem reservas a justa luta dos trabalhadores cantoneiros e a exigir a CML a satisfação imediata das suas reivindicações.

VIVA A JUSTA LUTA DOS TRABALHADORES DA CML!
VIVA A SOLIDARIEDADE PROLETÁRIA VIVA O POVO!
VIVA O PCTP!

COMITÉ DO PCTP/MRPP do CONCELHO DE LISBOA
22/6/77

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo