segunda-feira, 1 de maio de 2017

1977-05-01 - VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO - PCTP/MRPP

Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP)

VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO

TODOS À RUA POR UMA GRANDE JORNADA DE LUTA, UNIDADE E VITÓRIA!

Uma aguda luta de classes na nossa Pátria. Por um lado, social-fascistas e demais oportunistas responsáveis pela crise do seu sistema, a crise capitalista, tentando desesperadamente manter o seu domínio de classe à custa da classe operária e do povo trabalhador, tentando perpetuar a exploração sobre aqueles que nada tem a não ser a força do seu trabalho mas que tudo produzem. Por outro lado, a classe operária, os camponeses e os trabalhadores em geral lutando contra as medidas da burguesia que trazem consigo mais fome e mais miséria para o Povo; lutando pelo Pão, pela Independência Nacional e pelo fim da exploração do homem pelo homem, pelo socialismo e pelo comunismo.
É neste contexto que a classe operária comemora o 1º DE MAIO de 1977, dia da classe e de todos os trabalhadores de todo o mundo, dia de luta e de festa. Por isso toda a burguesia, do CDS ao P"C"P e do partido do Governo ao U"DP"/P"C"P(R) e toda a casta de grupelhos contra-revolucionários, move um ataque cerrado ao dia da classe operária, ao 1° DE MAIO VERMELHO.
Há menos de uma semana atrás todos os partidos do Capital comemoraram o 25 de Abril. Para eles essa data constitui o aniversário da "revolução", da "instauração das liberdades democráticas", enfim, o Céu e a Terra para eles, mas a fome e a miséria para o povo.
O derrube da camarilha Marcelista no 25 de Abril imposta pelo povo nas ruas, as Juntas de "Salvação" Nacional, os MFAs, os Governos Provisórios, as teses do "rumo ao socialismo" e do "processo revolucionário em curso" e a demagogia dos partidos reaccionários da nossa praça introduziram algumas ilusões no seio do povo quanto ao golpe militar, quanto ao carácter de classe dos órgãos do poder e da classe que continuou a governar, quanto ao falso socialismo e ao falso comunismo dos oportunistas. Era este um dos objectivos do golpe: iludir os operários e os trabalhadores, desviá-los das suas justas lutas, dizer que não deviam lutar porque já estávamos no "socialismo” e amolecê-la e cavalgá-la. Tudo continuaria na mesma: a mesma classe no poder - a burguesia - o mesmo sistema político - o capitalismo - pintado de cor diversa.
Por outro lado, as comemorações da data de golpe militar de Abril apontaram para objectivos precisos decorrentes da situação desesperada em que a classe dominante se encontra. Pretenderam essas forças políticas inspirar nas massas o saudosismo da "revolução dos cravos" do tempo do MFA e assim fazer voltar a revolução para trás, as mesmas forças políticas - com o partido social-fascista de Barreirinhas Cunhal à cabeça - que ao longo do tempo traíram de todas as formas os trabalhadores, reprimiram as suas lutas, colocaram a nossa terra sob a pata do imperialismo americano e europeu e do social-imperialismo revisionista soviético e que são os únicos responsáveis pela crise. Pretenderam fazer acreditar à classe operária que sem um partido verdadeiramente comunista ela pode obter a vitória na revolução. Assim como tentaram desviar a atenção das massas do seu dia de luta, de unidade e de vitória para o dia dos exploradores, dos velhos e dos novos patrões.
E por isso que a burguesia comemora tal data. Cada classe comemora as que lhe são queridas, que lhe foram favoráveis. Assim acontece com a burguesia e com o 25 de Abril.
O lº DE MAIO é pois o dia em que o povo deve sair para a rua, unir-se sob a bandeira do seu Partido, o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses, a vanguarda organizada da classe operária, sob a bandeira vermelha do partido que nunca vergou nem vergará, que sempre lutou e lutará à cabeça das massas contra os seus inimigos.
Em 1973, convocadas e dirigidas pelo MRPP, embrião do qual nasceu o PCTP, cerca de 20000 elementos do povo, operários, trabalhadores, estudantes, soldados e marinheiros saíram para, a rua e, no mesmo local onde agora se comemorará o 1º DE MAIO VERMELHO, no Rossio, lutaram contra o fascismo e as suas polícias, contra o imperialismo e o colonialismo, contra o revisionismo, transformando esse dia numa grandiosa jornada de luta que os revisionistas do P"C"P tinham tentado em vão boicotar.
Todas as teses oportunistas de que a classe operária não podia e não queria lutar foram deitadas por terra.
Este ano, como nos quatro anteriores, a classe operária terá o seu lº DE MAIO VERMELHO contra o lº de Maio amarelo e da traição dos partidos da burguesia com os social-fascistas e a sua central sindical no comando, acolitados por todos os seus cães de trela e pelo partido governamental.
Um lº DE MAIO VERMELHO contra as medidas anti-populares do Governo do falso partido socialista, contra os despedimentos e o desemprego, contra a carestia de vida, pela semana das 40 horas e pelo controlo operário, pela solução para a crise, contra o fascismo, o social-fascismo e o oportunismo, pelo PÃO, pela TERRA, pela LIBERDADE, pela DEMOCRACIA, pela INDEPENDÊNCIA NACIONAL e pela PAZ.

VIVA O MARXISMO-LENINISMO-MAOÍSMO!
VIVA O COMUNISMO!
VIVA O P.C.T.P.!
VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO!

ROSSIO
10H INICIO DAS REALIZAÇÕES
17H GRANDE MANIFESTAÇÃO POPULAR

Comité do Concelho de Lisboa do PCTP

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo