quarta-feira, 15 de março de 2017

1977-03-15 - CIRCULAR - GRANDE COMÍCIO - PCTP/MRPP

Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP)

CIRCULAR
GRANDE COMÍCIO
COM A PRESENÇA DO CAMARADA ARNALDO MATOS SECRETÁRIO-GERAL DO P.C.T.P.
UMA SOLUÇÃO OPERÁRIA PARA A CRISE
25 MARÇO/SEXTA/21H/PAV. DESPORTOS

A todas as organizações do Partido:
O nosso Partido vai realizar no próximo dia 25 de Março, sexta-feira, as 21 horas, no Pavilhão dos Desportos, em Lisboa, um Grande Comício, subordinado ao tema "UMA SOLUÇÃO OPERARIA PARA A CRISE" e que contará com a presença do camarada Arnaldo Matos, Secretário-geral do P.C.T.P.
Esta nossa importante realização surge num momento particularmente agudo da crise e encontra precisamente no seu presente agravamento a razão central da sua convocação.
De facto a marcação daquele que constituirá o primeiro Comício do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses surge da necessidade de apresentar aos quadros e às massas a única solução para a grave situação que se vive no nosso país, a solução dos comunistas, aquela em torno da qual e necessário mobilizar o Povo, porquanto constitui a única saída e a única via para a resolução dos problemas que dia a dia são maiores para as cada vez mais precárias condições de vida dos explorados do nosso País.
Os últimos 46 Decretos anti-operários e anti-populares do Governo, o cabaz da fome e toda a sorte de legislação reaccionária, como as medidas da "ordem pública", começaram a levantar uma vasta onda de descontentamento e revolta das massas, que urge ser organizada e dirigida pelo nosso Partido.
É neste contexto que se realiza este nosso Comício que se reveste pois dum particular significado e importância política, devendo a sua preparação e organização merecer da parte de todas as organizações, comités e células do Partido um cuidado minucioso no traçar dos planos, no apontar dos objectivos e no seu cumprimento integral.
Nada deve ser descurado, devendo ser atendidos todos os pormenores.
FINANÇAS - Todas as células devem cuidar de entregar a Comissão, no prazo fixado, a quantia que lhe foi atribuída para as despesas do Comício.
PROPAGANDA - Todas as células devem editar os seus próprios comunicados, realçando os aspectos concretos e mais sentidos das medidas do Governo, como única forma de mobilizar as massas para o Comício, e para a única solução que preconizamos como possível para a crise.
Deve-se cuidar de fazer grandes murais e cola-los nos principais centros, nas grandes fabricas, praças, etc.
Nas ruas e estradas mais importantes e movimentadas devem ser fixadas faixas em pano a anunciar o Comício.
A Comissão irá distribuir o cartaz e o comunicado centrais para o Comício, no entanto as células devem começar já hoje o trabalho.
A nossa propaganda deve ter um estilo novo, ser uma propaganda incisiva e concreta, e não uma propaganda estereotipada. As massas sentem e estão contra as medidas, sabem também que é e sempre foi o nosso Partido que as denunciou como reaccionárias e repressivas. Uma correcta linha na propaganda é um factor importante e num certo aspecto decisivo para a mobilização das massas.
Nos locais de trabalho, nos bairros, nas aldeias, nas escolas, em todo o local os nossos camaradas devem ser propagandistas, devem tomar a palavra e ousar mobilizar as massas.
DESLOCAÇÃO - Todos os preparativos para a deslocação ao Comício devem ser desde já tratados.
Alugar já hoje a camioneta para a excursão. Tratar de começar desde agora a fazer as faixas com palavras de ordem e as bandeiras, para levar ao Comício. Não guardar nada para a ultima da hora.
Todas as células devem traçar os seus planos concretos, a partir das indicações que a Comissão achou por bem fornecer, e lutar por alcançar os objectivos.
Também quarto a esta questão se vai travar a luta entre o Partido e o Círculo, a luta entre o novo e o velho, a luta entre os que querem apontar objectivos, traçar planos e cumpri-los, e os que querem entregar as coisas ao expontaneísmo e à anarquia. A esses, a essa minoria que teima em considerar que os fundos estipulados para a sua organização não são para entregar e que os objectivos apontados são só para ficar no papel deve opor-se a esquerda dentro do Partido, contra eles devem levantar-se a maioria dos quadros, aqueles para quem as circulares não são só papel, mas uma directiva para o seu trabalho e um auxiliar precioso para o cumprimento das suas tarefar.
Parte integrante da ofensiva política do Partido, este nosso Comício, e as tarefas da sua preparação que se nos colocam devem ser encarados com um elevado espírito de Partido, com um espírito e uma vontade que varra os maléficos desígnios do círculo e edifique o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses.

VIVA O GRANDE COMÍCIO DE 25 DE MARÇO!
VIVA O PARTIDO COMUNISTA DOS TRABALHADORES PORTUGUESES!

Lisboa, 15 de Março de 1977
COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO DO COMÍCIO DE 25 MARÇO

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo