segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

1977-01-23 - O Faísca Vermelho Nº 02 - PCP(ml)

FARSA ELEITORAL NOS ELECTRICISTAS DO SUL

Decorreu no passado dia 28 de Dezembro mais uma farsa eleitoral no Sindicato dos Electricistas do Sul, que voltou a colocar na direcção os cunhalistas. Entre eles, ficou de novo o Quintas, conhecido dos sócios pelo refinado golpismo com que infringe as decisões das assembleias gerais.
A farsa eleitoral deveu-se ao facto de todas as listas concorrentes pertencerem à família social-fascista: a lista A, social-fascista com capa «unitária»; a lista B, dos aventureiros do MRPP, que surgiu para lançar a confusão entre os democratas; e a lista C, dos rachados da UDP e do MES, com capa de «esquerda» para enganar os descontentes com o partido de Cunhal.
Como dizia um comunicado do Movimento Democrático do Trabalho (MDT), nenhuma das forças em presença oferece «qualquer alternativa de democratização da vida do Sindicato, de luta contra o terrorismo e o golpismo nas empresas e por uma política sindical ao serviço da independência nacional, da democracia e da melhoria das condições de vida dos trabalhadores». Por isso a única atitude coerente era a da abstenção, como apelava o MDT.
A votação veio mostrar uma verdadeira abstenção em massa dos cerca de 35 mil trabalhadores abrangidos elo sindicato. Contados 4557, a lista A obteve 3544, a lista B 514 e a lista C 499, ficando portanto desclassificados os filhotes sociais-fascistas. Veio assim a confirmar-se o isolamento    de todas as listas perante a esmagadora maioria dos operários electricistas. Estes têm dado um importante passo para virem a ter um sindicato operário e democrático: unirem-se e organizarem-se no seio do movimento sindical democrático em combate aos social-fascistas, aderindo às fileiras do MDT.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo