sábado, 21 de janeiro de 2017

1977-01-21 - O Jovem Nº 01 - JC (ML)

O JOVEM
BOLETIM DAS JUVENTUDES COMUNISTAS (MARXISTASA-LENINISTAS)

PARTICIPA NA CAMPANHA DA JC(M-L) CONTRA A DROGA!
No número de Marco de Juventude Vermelha, órgão das Juventudes Comunistas (marxistas-leninistas), foi lançada uma campanha contra a droga. Droga que já causou a morte de jovens como Carlos Martins e Gaspar, de Coimbra, ou de um jovem aluno do Liceu D. Dinis, em Lisboa, e que faz cada dia perigar a vida de tantos outros. Juventude Vermelha desmascara a participação activa dos sociais-fascistas cunhalistas e dos seus lacaios dos «GDUPs-UDP» na viciação da juven­tude na droga, para a tornar sua presa fácil. Tal como a Gestapo de Hitler, o KGB utiliza também a droga para estimular hordas de drogados e transformá-las em verdadeiras brigadas de choque do social-fascismo, como a que é chefiada pelo nazi Calado, em Coim­bra. A JC(m-l)e a UEC(m-l) estão a formar comissões para o comba­te à droga, que procurarão alertar e esclarecer a juventude e não pouparão toda a espécie de traficantes de droga.

Participa, na tua escola ou na zona onde moras, na campanha da JC(m-l) contra a droga!
CORRIDA PEDESTRE E EXCURSÃO EDUCATIVA A SERRA DA ESTRELA
A JC(m-l) organiza uma excursão à Serra da Estrela nos dias 16 e 17 de Abril. Objectivos: conhecer a Serra, evocar a história de Viriato e dos Lusitanos, participar no Circuito Juvenil da Serra (corrida pedestre de 3 mil metros a realizar em Seia no dia 17 de Abril). Esta é a primeira de uma série de excursões sob o lema «Aprende Viajando», guiadas por professores do ensino secundário e superior.
JORNAL CLANDESTINO SOCIAL-FASCISTA NA REGIÃO MILITAR SUL
O PCP(m-l) denunciou no seu órgão central, Unidade Popular, o aparecimento do n.° 1 de Vida Militar — pasquim clandestino social-fascista cujo objectivo é provocar a desestabilização no seio das Forças Armadas, ao serviço do social-imperialismo russo. O partido social-fascista de Cunhal não desiste... Não desiste onde não são tomadas firmes medidas contra as suas actividades antinacionais. Como defende o PCP(m-l), o social-imperialismo, como todo o imperialismo, está bem é a levar no focinho.
SETENTA NOVAS ADESÕES À JC(M-L) E À UEC(M-L)
Prossegue com entusiasmo a campanha de novas adesões à JC(m-l) e à UEC(m-l). Desde 1 de Fevereiro deste ano, 70 jovens vieram engrossar as nossas fileiras. Assim, aderiram jovens em Lisboa, Oeiras, Amadora, Estoril, Vila Franca de Xira, Loures, Tramagal, Rossio ao Sul do Tejo, Abrantes, Lama (Matosinhos), Gondomar, Abragão, Valongo, Porto, Póvoa de Varzim, Sangalhos, Espinho, Coimbra, Paranhos, Seia, Évora, Armação de Pera, Cruz de Pau e Paio Pires.
E tu, o que esperas para aderir?
APOIEMOS O ZAIRE CONTRA A INVASÃO SOCIAL-IMPERIALISTA!
Depois de ter colonizado Angola, o social-imperialismo russo, através dos mercenários catangueses apoiados pelos fantoches cubanos e operando a partir de Angola, invadiu o Zaire. Os mercenários catangueses são os mesmos que assassinaram o patriota congolês Lumumba, que serviram o exército colonial-fascista português e que Rosa Coutinho colocou ao serviço do social-imperialismo russo e dos lacaios do MPLA.
DEFENDERÃO A JS E A JSD O SOCIALISMO? SERÁ A JS MARXISTA?
A JS e a JSD não defendam o socialismo, E a JS não é, evidentemente, marxista. São ambas organizações da burguesia liberal que tentam enganar a juventude disfarçando de «socialismo» (e a JS até mesmo de «marxismo») a sua defesa do capitalismo a do imperialismo ocidental. Só quem desconhece os textos de Marx, engolirá o «marxismo» da JS e o «socialismo» da JSD.
Karl Marx foi, com F. Engels, fundador do socialismo científico. Nas suas obras desmascarou o socialismo burguls defendido por políticos capitalistas do seu tempo e hoje defendido pele JS e a JSD. É de uma dessas obras, o célebre Manifesto do Partido Comunista, que escreveu com Engels, o texto que a seguir reproduzimos.
II - O SOCIALISMO CONSERVADOR OU BURGUÊS
Uma parte da burguesia deseja remediar os inconvenientes sociais a fim de assegurar a existência da sociedade burguesa.
A este número pertencem os economistas, os filantropos, os humanistas, todos os que se ocupam em melhorar o destino das classes operárias, em organizar a beneficência, em criar sociedades protectoras de animais, em fundar sociedades de temperança, numa palavra, toda a espécie de reformadores de gabinete. E chegou-se até a elaborar este socialismo burguês em sistemas completos.
Citemos como exemplo a Filosofia da Miséria de Proudhon.
Os socialistas burgueses querem as condições de existência da sociedade moderna, sem as lutas e os perigos que dai advêm necessariamente. Querem a sociedade actual, após a eliminação dos elementos que a revolucionam e desagregam. Querem a burguesia sem o proletariado. A burguesia imagina naturalmente que o mundo onde ela tem a supremacia é o melhor dos mundos. O socialismo burguês foi desta concepção optimista um semi-sistema ou um sistema completo. Quando convida o proletaria­do a realizar os seus sistemas e a entrar na nova Jerusalém, não lhe pede, no fundo, senão que permaneça na sociedade actual, renunciando à ideia odiosa que faz dela.
Uma outra forma de socialismo, menos sistemática a mais prática, esforça-se para desgostar a classe operária de todo o movimento revolucionário mostrando-lhe que aquilo que lhe podia servir, não era esta ou aquela modificação política, mas unicamente uma modificação das condições materiais da existência, das condições económicas. Mas por esta modificação das condições materiais da existência, este socialismo não compreende, de modo algum, a abolição das condições burguesas da produção, abolição que só é realizável pela via revolucionária, mas as reformas administrativas que se realizam no quadro destas condições da produção, que em nada modificam, pois, a relação do capital a do trabalho assalariado, mas, pondo as coisas melhores, diminuem pera a burguesia as despesas do governo e simplificam e gestão económica.
O socialismo burguês só encontra a sua expressão adequada quando se torna numa simples figura de retórica
Liberdade de comércio! no interesse da classe operária; tarifas proteccionistas! no interesse da classe operária; prisões celulares! no interesse da classe operária; eis a última palavra, a única séria, do socialismo burguês.
O socialismo da burguesia consiste precisamente na afirmação de que os burgueses tio burgueses — no interesse da classe operária
O PARVO FONTES CONTINUA A FAZER DAS SUAS
O burguesinho, carreirista e parvo Fontes, dirigente da JSD, é um inimigo da unidade dos estu­dantes democratas. Anticomunista obstinado, opõe-se à aliança da JSD com a UEC(m-l), e quem chama (à Kaúlza de Arriaga) «escumalha comunista». Só quando encostado á parede esta carrei­rista, que sonha ser ministro, se alia às torças democráticas, como aconteceu no Liceu D. Dinis. Por quanto tempo permitirão os estudantes democratas da JSD que o parvo Fontes continua a fazer das suas?
LICEU DE BEJA: MAIS UMA GOLPADA DA JS
No Liceu de Beja, apesar do «amplo» prazo de três dias concedido pelos sociais-fascistas para serem apresentadas listas, a UEC(m-l) organizou uma lista da unidade democrítica com a JSD e a JS. A JC recusou participar. Na véspera da entrega das listas, a JS deu mais uma golpada à PS retirando-se da lista democrática e apresentando-se sozinha, impedindo assim a UEC(m-l) e a JSD da apresentar lista. No Liceu de Beja, a UEC(m-l) apela para a abstenção. Se os sociais-fascistas ganharam, à JS e à JC caberão todas as responsabilidades.

JUVENTUDES COMUNISTAS (MARXISTAS-LENINISTAS)

RUA EÇA DE QUEIROZ. 14 - LISBOA

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo