sábado, 6 de agosto de 2016

1976-08-06 - FOLHA CDS Nº 52 - CDS

FOLHA CDS Nº 52
13.VIII.76

1. VITÓRIAS DA JUVENTUDE CENTRISTA. De acordo com as últimas informações obtidas junto da JC é a seguinte a situação deste movimento nos diversos estabelecimentos de ensino onde tem mais forte implantação:
Aveiro. Em coligação com a JS a JC ganhou as eleições para a Comissão de Gestão do Liceu; Braga. Seis Militantes da JC forem eleitos para a direcção da Associação de Estudantes; Coimbra. Seis militantes da JC foram eleitos para a direcção da AS; Portimão A lista vencedora para a direcção da AS tem a participação de vários JC's, entre os quais o cabeça de lista e os estatutos propostos para serem ratificados eu RGA são da iniciativa da JC. Esta concorreu, também, com uma lista inteiramente sua que conquistou o 2º lugar, Lisboa. Em coligação com a JSD ganhou as eleições para a comissão de gestão do liceu Maria Amélia Vaz de Carvalho; ganhou as eleições para a AS do Colégio S. João de Brito; três elementos da JC foram eleitos para a direcção da AE da Escola António Arroio, Torres Vedras. Ganhou as eleições para a comissão de gestão do liceu em coligação com a JSD; Sintra. Oito elementos da JC ganharam as eleições para a AS no liceu da vila; Cascais. Seis elementos da JC foram eleitos para a direcção da AE; Carcavelos. A JC ganhou as eleições para a direcção da AE; Porto. Em coligação com a JSD ganhou as eleições para a Comissão de Curso do 1º Ano e para as Comissões Pedagógicas na Faculdade de Medicina; três elementos da JC foram eleitos para a direcção da AE do liceu Garcia de Orta; três elementos da JC e dois da JSD ganharam as eleições para a comissão de gestão; liceu Rainha Santa Isabel: a JC, coligada com a JSD ganhou as eleições para a AE deste liceu feminino; Portalegre. Quatro elementos da JC foram eleitos para a direcção da AE do liceu Póvoa de Varzim. Este ano não houve eleições. A direcção da AE que se mantém em funções é afecta à JC; Vila da Conde. A comissão de gestão do liceu é composta por diversos professores que são, com uma única excepção, todos CDS; Penafiel. Aqui as eleições foram ganhas pela JC; Santarém. A JC ganhou as eleições paro a Associação de Estudantes, integrando entre os 11 elementos da sua lista três JSD's. Os estatutos aprovados para a Associação foram propostos pela JC.
2. MANIFESTO MUNDIAL DA DEMOCRACIA CRISTÃ. Dezenas de partidos irmãos do CDS pertencentes aos cinco continentes encontraram-se há pouco, através de representantes de organizações continentais DC (como a UEDC e a ODCA) em Roma na sede da União Mundial das Democracias Cristãs. Do encontro deve resultar, muito em breve, a publicação do manifesto mundial. Os partidos defensores do personalismo cristão são assim a primeira força no mundo que faz uma tão grande demonstração de unidade.
3. FREITAS DO AMARAL. O presidente do CDS estará na de Setembro a convite do OVP (o segundo partido austríaco). No dia 3 fará no Tirol, no Spbach Forum uma conferência sobre Liberdade e Anarquia a que deverão assistir cerca de mil intelectuais, escritores, políticos e financeiros de todo o mundo. Dois dias depois irá a Salzburgo para tomar parte no Encontro de Solidariedade entre os líderes dos partidos DC e conservadores da Europa. Da agenda deste Encontro consta: "O socialismo na Europa e a nossa alternativa". No dia 7 de Setembro, durante um grande meeting do Partido Popular Austríaco (OVP) Freitas do Amaral fará um discurso sobre a situação portuguesa.
4. CHEGOU DA CHINA. Pedro Pestana de Vasconcelos regressou da China depois de uma estadia de várias semanas.
5. DEFESA DO PAPEL DOS PAÍS NA EDUCAÇÃO. Foi este um dos pontos da intervenção de Freitas do Amaral no programa da RTP "CDS Responde" no dia 3 de Agosto. As posições ai reafirmadas por Freitas do Amaral, Amaro da Costa e Basílio Horta foram objecto de grandes elogios por parte de numerosas personalidades portuguesas independentes que fizeram notar a grande coerência da doutrina e das posições assumidas pelo nosso partido ao longo destes dois anos
6. TELEVISÃO. José Afonso Gil, Caetano da Cunha Reis e António (suplente) foram nomeados representantes do CDS no Conselho de Informação da Televisão.
7. TIMOR. Basílio Horta defendeu que deve ser feito tudo para que os portugueses que ainda lá se encontram possam regressar. O Secretario Geral do CDS fez notar que isso passa pelas relações entre Portugal e a Indonésia.
8. COMISSÃO POLITICA. O novo Secretariado reuniu pela primeira vez.
FREITAS DO AMARAL FALOU NA ASSEMBLEIA DA REPUBLICA SOBRE O PROGRAMA DO GOVERNO
Não é um programa do que se vai fazer, mas o catálogo do que se gostaria de poder fazer. Não é uma lista das medidas possíveis, é um rol das medidas desejáveis"
"O Programa não diz uma palavra sobre o financiamento da sua própria execução”
"O Programa sofre de pendor burocrático. Por tudo e por nada, em cada parágrafo, em cada alínea se prevê a criação de comissões, institutos e organismos, quantas vezes inúteis ou pelo menos dispensáveis. O peso orçamental desta proliferação de serviços públicos será medonho. E não o será menos a complicação excessiva da vida dos cidadãos que assim serão chamados a pagar eles próprios as malhas da rede que lhes complicará a vida. CONFIRMA-SE POIS QUE O SOCIALISMO, MESMO DEMOCRÁTICO, TENDE SEMPRE A TRANSFORMAR-SE NO REINO DA BUROCRACIA”.
Depois de notar que o Programa do Governo não se refere a Macau, nem se preocupa com a defesa da instituição familiar (em contraste com as preocupações manifestadas quanto ao planeamento familiar) e que demonstra grande timidez em tudo o que se refere a descentralização o presidente do maior partido personalista (e por isso mesmo não socialista) português continuou:
"Para quem tenha lido o Programa do Governo é patente que ele (o Governo) fez uma grande aproximação em ralação aos programas de outros partidos, nomeadamente o CDS. Qual o significado dessa viragem que o Programa do Governo representa em relação ao programa do respectivo partido?"
"Pensamos que o Partido Socialista chegou à conclusão de que a sua ideologia, a sua doutrina, os seus princípios, não servem para resolver a crise em que o País se encontra. Este Programa do Governo é a confissão de uma derrota. E é também a demonstração clara do fracasso do marxismo. Porque tendo uma ideologia que não dá para sair da penúria o apenas serve para gerir a abundância, ou para dar cabo dela, essa ideologia assina a sua própria sentença de morte".

DEFENDEMOS A ECONOMIA SOCIAL DE MERCADO, não a economia socialista
DEFENDEMOS A LIBERDADE DO ENSINO PRIVADO E O PAPEL PRINCIPAL DA FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO não o monopólio do ensino pelo Estado
DEFENDEMOS A DIFUSÃO DA PROPRIEDADE PELOS TRABALHADORES, não a sua concentração nas mãos do Estado
DEFENDEMOS A DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, não o centralismo estatal
DEFENDEMOS A LIBERDADE DE IMPRENSA, não o controlo encapotado da informação
DEFENDEMOS O PERSONALISMO CRISTÃO, não o socialismo, mesmo o democrático ou até social-democrático.

AMARO DA COSTA, NO DIA 9, NA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, SOBRE O PROGRAMA DO GOVERNO:
"O Programa foge às questões mais difíceis"
"O CDS sem estar no Governo(...) elaborou e apresentou em Abril passado um plano económico bem mais concretizado e viável do que aquele que agora nos é proposto. Se V. Ex. não nos leva a mal sugerimos ao Governo que o ponha em prática, enquanto os diferentes ministros se dedicam a organizar o projecto do Plano.(...) Como V. Ex. (Amaro da Costa dirigia-se, na altura, ao Primeiro Ministro Mário Soares) se declarou aberto, no início deste debate à incorporação no seu Programa de sugestões úteis aqui fica com toda a franqueza a oferta e a sugestão".

FOLHA CDS Nº 52 13.VIII.76 DOP Largo do Caldas, 5 Lisboa tel.861019

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo