Translate

quinta-feira, 11 de maio de 2017

1972-05-11 - COMUNICADO DA DIRECÇÃO - Movimento Estudantil

COMUNICADO DA DIRECÇÃO

1. UNIDOS, CONTRA A REPRESSÃO SOBRE O MOV. COOPERATIVISTA!
Realiza-se hoje, 5ª feira, às 18 horas, na Faculdade de Económicas, uma reunião convocada pelos estudantes desta escola, para conjuntamente com os cooperativistas, sócios da LIVRELCO e de mais estudantes, discutiram os problemas que mais gravemente vêm atingindo o M.A, e o Mov. Cooperativista. Esta decisão foi tomada no seguimento da proibição pelo Ministério do Interior do Encontro de Cooperativistas a realizar no passado sábado, e da intervenção policial que se lhe seguiu. Neste momento a repressão governamental sobre o M.A. e as Cooperativas tem aumentado brutalmente. É prova disso o encerramento nos últimos tempos das Associações de Letras e Direito, as dezenas de estudantes presos, os processos disciplinares — o mais recente é o caso dos estudantes de Ciências, que estão neste momento a ser vítimas de inquéritos movidos pelas autoridades, a impossibilidade de livre reunião e expressão, e até mesmo as limitações â simples informação.
À esta actuação governamental que visa o aniquilamento do Movimento estudantil devem os estudantes responder firme e prontamente, a fim de impedir o avanço da vaga repressiva.
É neste sentido que se vai realizar esta tarde a reunião dos estudantes com os cooperativistas. Nela serão discutidos, os problemas comuns, os reflexos da Lei de imprensa sobre as AAEE, e terá em vista a organização dos estudantes nas AAEE para a luta contra a repressão que sobre elas se abate.
2. LIBERDADE PARA OS ESTUDANTES PRESOS!
Os estudantes de Medicina protestaram firmemente aquando da prisão de 5 colegas. No seguimento das propostas aprovadas em Ass. Geral, a direcção da C.P.A. tentou per diversas vezes entrar em contacto com a DGS, para saber das condições prisionais, jurídicas e de saúde dos nossos colegas. Sempre evasivas, dificuldades, "falta de alguém responsável"! A DGS tornou impossível qualquer contacto ou simples informações. Ainda hoje entraremos em contacto com o director da Faculdade para que este tome providências face aos obstáculos levantados nas diligências efectuadas.
EXIJAMOS QUE AOS NOSSOS COLEGAS SEJA FACULTADO O ESTUDO E EXAMES!
EXIJAMOS A LIBERTAÇÃO DOS ESTUDANTES PRESOS!
3. POR UMA R.I.A. REPRESENTATIVA DAS POSIÇÕES DOS ESTUDANTES!
Neste momento o M.A. tem vindo a debater-se com problemas extremamente graves que, objectivamente, só conduzem ao seu enfraquecimento.
Os estudantes de Medicina tomaram posição quando da expulsão e agressão de um dos seus dirigentes, exigindo a revogação das decisões tomadas na RIA. No entanto, na RIA convocada pela direcção de Medicina para esse efeito, a proposta para readmissão do dirigente expulso e agredido teve 6 votos a favor e outros 6 contra. Novos factos extremamente graves se verificaram. Durante essa RIA foram ultrapassados os princípios do M.A. e o próprio estatuto de R.I.A.. Assim, para impedir a revogação da proposta de expulsão, determinadas escolas forçaram a votação da LIVRELCO, a qual não poderia votar por ser um organismo autónomo e que, como tal, só tem poder deliberativo na RIA, em assuntos que lhe digam directamente respeito, ou referentes especificamente à condução técnica da reunião. Só para esta votação se requereu o voto da LIVRELCO, já que até agora, e inclusive na "RIA" que deliberou a expulsão e nas que se lhe seguiram, a LIVRELCO não participou nas votações. Estes factos passam-se sem um controle dos estudantes face às posições que determinadas delegações tomam na RIA, que tem conhecido um progressivo afastamento dos estudantes.
É necessário desenvolvermos esforços no sentido de se conseguir uma RIA autenticamente representativa, que desempenhe cabalmente a função que lhe compete, como organismo coordenador do M.A. em Lisboa.
4. PARA A UNIDADE ESTUDANTIL!
A REUNIÃO DOS ESTUDANTES DE MEDICINA DE LISBOA; PORTO E COIMBRA, que se realizou em 28, 29 e 30 de Abril, foi um importante passo no sentido da UNIDADE de todos os estudantes portugueses. Além das jornadas de convívio, nela foram discutidos problemas comuns e adoptaram-se algumas medidas concretas face à repressão, à reforma do ensino médico, e à continuação de um trabalho conjunto. Assim, formou-se um SECRETARIADO a nível nacional que visará a coordenação deste trabalho e a preparação de um futuro ENCONTRO NACIONAL DOS ESTUDANTES DE MEDICINA, então muito mais representativo, no início do próximo ano lectivo.
5. O TRABALHO INTERNO!
O aproximar dos exames e luta contra as decisões e acontecimentos passados na tão falada e "triste" RIA, provocaram um decréscimo do trabalho interno.
Vai ser convocada uma REUNIÃO INTER COMISSÕES DE CURSO que deverá debruçar-se sobre os erros e deficiências do trabalho destino, análise da situação pedagógica dos diversos cursos e das lutas travadas este ano e perspectivas para o próximo ano.
A Secção de Farmácia começará a funcionar dentro de dias na SALA 7 de Maio.

11/ Maio/72                            
A direcção da Pró-Associação

Sem comentários:

Enviar um comentário