Translate

terça-feira, 18 de abril de 2017

1972-04-18 - COMUNICADO CONJUNTO DAS DIRECÇÕES DAS AA.EE DO PORTO - Movimento Estudantil

COMUNICADO CONJUNTO DAS DIRECÇÕES DAS AA.EE DO PORTO

Os estudantes do Porto apoiaram a luta das massas trabalhadoras contra o aumento do custo de vida, que se expressou no dia 15 às 18,30 através duma manifestação na Praça da Liberdade. Dado o carácter consequente da luta geral das massas trabalhadoras e o largo número de manifestantes presentes na manifestação do dia 15, a intervenção policial foi invulgarmente dura.
Em consequência da acção policial, foram feridos muitos trabalhadores, estudantes e outros elementos da população. Alguns dos feridos foram-no com extrema gravidade e em certos casos a polícia prosseguiu nos espancamentos em feridos inconscientes e impediu que populares lhes prestassem socorro, como o seu estado exigia. Participaram na repressão da manifestação elementos da PSP (paisanos, fardados e cães), Polícia Judiciária, PIDE-DGS, Legião, contínuos de faculdades e liceus (por exemplo um funcionário da secretaria do Liceu Garcia da Horta). Comandava as operações um oficial do Exército, estando a GNR de prevenção.
Foram presas cerca de 50 pessoas, tendo algumas sido soltas no dia seguinte. Contrariamente às informações dos jornais alguns estudantes menores continuam presos e 6 destes foram julgados no Tribunal de Menores.
Perante a gravidade das situações as direcções associativas conjuntamente com os estudantes dalgumas faculdades, tomaram medidas imediatas de apoio aos estudantes presos. Assim a direcção da A.E.F.E.U.P. (Associação de Estudantes da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto) tomou as seguintes medidas:
- convocação através dum BIPE INFORMATIVO de uma Reunião Informativa seguida de uma ida da Direcção com os estudantes da direcção da Faculdade, tendo circulado entre os estudantes presentes um telegrama de protesto dirigido ao Presidente do Conselhos A direcção da A.E.F.M.P. ( Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina do Porto) publicou um comunicado conjunto com a direcção da A.E.F.L.L. (Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa) e a Junta de Delegados da Faculdade de Medicina de Coimbra, sobre e Reunião dos Estudantes de Medicina das três Academias, tomando uma posição face aos acontecimentos do dia 15 de Abril. Estiveram presentes elementos das direcções das direcções associativas da Faculdade de Engenharia, Faculdade de Ciências, Faculdade de Letras, Faculdade de Medicina, Vacuidade de Economia e Liceus nas concentrações junto das Faculdades De Ciências e Engenharia e nos Liceus Alexandra Herculano e D. Manuel II. Em todas as faculdades foram distribuídas informações sobre estes acontecimentos.
Na F.E.U.P., nos liceus D. Manuel II e Alexandre Herculano o Director e os respectivos Reitores comprometeram-se a efectuarem uma visita aos estudantes presos na PIDE-DGS, onde, acompanhados pela direcção da A.E.F.E.U.P. e dos estudantes dos liceus que assim o entenderem, visitariam os estudantes presos das suas escolas e tomariam conhecimento da situação e que eles se encontram.
2 - As direcções associativas reafirmam e reunião conjunta uma tomada de posição solidária com os estudantes presos, o que de modo nenhum infringe a apoliticidade do Movimento Associativo, considerando que qualquer estudante tem o direito de tomar todas as posições que considere justas, inclusivas posições políticas, desde que não assumam carácter anti—associativo.
Os métodos habituais da PIDE-DGS continuam a ser utilizados não sendo concedidas visitas diárias de 1 hora, recusando a entrada de jornais, livros e revistas, não concedendo recreio diário, e continuando a impedir a presença do advogado nos interrogatórios, assim como impedem que um médico da confiança do preso lhe preste assistência.
As direcções associativas propõem que os estudantes do Porto apoiem os seus colegas presos, assumindo esse apoio as formas de luta que a situação concreta de cada escola permita. No entanto desde já propõem que sejam efectuadas em todas as escolas recolha de fundos, roupas, livros e cigarros como uma das formas imediatas de apoio a todos os presos, Devemos ter presente que o apoio mais consequente a dar aos estudantes presos em particular, e contra a repressão em geral, consiste no desenvolvimento do Movimento Associativo, alargamento da sua base de massas, no seu reforço organizativo, e na unidade na luta de todos os estudantes.

SOLIDARIEDADE ACTIVA COM OS ESTUDANTES PRESOS
VIVA A UNIDADE NA LUTA DOS ESTUDANTES DO PORTO

A Direcção da A.E. dos LICEUS
A Direcção da A.E. de ENGENHARIA
A Direcção da A.E. de MEDICINA
A Direcção da A.E. de CIÊNCIAS
A Direcção Proposto da A.E. de ECONOMIA
A Comissão Coordenadora de LETRAS
Porto, 18 de Abril de 1972

Sem comentários:

Enviar um comentário